A Apple vai apresentar hoje (12) os novos iPhones de 2018. Logo, este é o melhor momento para fazer uma reflexão sobre o modelo que entregou as maiores mudanças no dispositivo desde o seu lançamento: o iPhone X.

O iPhone do décimo aniversário quebrou a tradição evolutiva de design dos iPhones, eliminando de uma vez por todas o home button circular. Estava difícil para a Apple introduzir novidades nos seus smartphones. Nos anos anteriores, vieram o Touch ID ou o Siri, e no final, recebemos o 3D Touch. Mas nada disso era suficiente para se diferenciar da concorrência.

O iPhone X era o que muita gente esperava. Um salto para uma tela OLED Full-Screen, um notch que abriga o sistema Face ID com reconhecimento facial em 3D, um novo design (inescapável a essa altura) e uma série de novidades menores.

A Apple lançou tantas coisas novas no iPhone X que algumas pessoas levaram algum tempo para se adaptar aos novos recursos e características. Também se notou uma demora natural para os apps se adaptarem ao notch.

 

 

 

Tudo isso deixou uma coisa bem clara: todos os compradores do iPhone X viraram automaticamente beta testers de um dispositivo que chegou a custar no Brasil mais de R$ 7 mil.

Vários apps só passaram a suportar o Face ID só agora, o que obrigou o uso do PIN para algo que antes era feito com um simples toque, via Touch ID. Não é culpa só da Apple, mas a empresa poderia ter atenuado esse lado. Sem falar que o iOS 11 apresentou os seus problemas, e muita gente espera pelo iOS 12 para ter um uso pleno do dispositivo.

Mas nada disso muda o fato que o iPhone X é um dos melhores smartphones do mercado. Por outo lado, é um dispositivo pioneiro, que veio para preparar o caminho para os iPhones que serão lançados hoje, com um iOS 12 que é o que deveria ter sido quando o iPhone X foi lançado em 2017.

 

 

A recarga sem fio e o Face ID funcionar em 90% dos casos são pontos positivos. Porém, muita gente ainda usa o código PIN para desbloqueio do dispositivo, porque se vê obrigado a isso. Muitos donos de um iPhone X estão sentindo falta do Touch ID, e pensam em como ele seria útil se estivesse integrado na tela (permitindo inclusive o cadastro dados de outras pessoas, algo que o Face ID não permite.

Eu entro na lista das pessoas que não acham o notch a pior coisa da face da terra, e consigo conviver bem com ele (deixando de perceber a sua existência depois de um tempo). Por outro lado, o grosso notch do iPhone X rouba espaço para a apresentação de indicadores que estavam presentes em outros iPhones.

Por fim, é triste ver a Siri abandonada, enquanto a Google Assistente está ficando cada vez mais inteligente.

 

 

Esperamos que a nova família de iPhones, com o iOS 12 estável e maduro, coloque a Apple de novo nos trilhos da inovação.

Sim, pois apresentar o Modo Escuro em um sistema operacional está bem longe de ser algo inovador, ou uma das grandes novidades de software do ano.