O Chrome é famoso por ser um devorador de RAM, mas em breve ele pode ser mais eficiente nesse aspecto, aplicando alguns dos ensinamentos aprendidos com os apps no sistema mobile.

Nem o ‘site isolation’ implementado no Chrome 68 (que cria processos independentes para cada site visitado, o que ajuda a gastar ainda mais memória) ajudou a corrigir o elevado consumo de RAM do navegador nos PCs.

Por outro lado, o mesmo Chrome 68 traz o Page Lifecycle Interface, que permite aos sites e web apps uma melhor cooperação na forma em como o navegador gerencia as páginas, da mesma forma que acontece com os processos dos aplicativos em um smartphone, que são suspensos ou encerrados de acordo com os recursos do sistema.

Assim, o Chrome também pode gerenciar as abas que devem permanecer ativas, em modo de suspensão, adormecidas, ou completamente encerradas, realizando a sua recarga quando necessário.

O problema é que, para tudo funcionar, sites e web apps terão que ser modificados para dar essas dicas ao Chrome, algo que pode demorar muito. Também não há garantias que os desenvolvedores façam isso da forma correta (com muitos podendo indicar que suas páginas precisam ficar sempre ativas).

Este novo sistema é independente do Automatic Tab Discarding, que também libera memória das páginas abertas quando o sistema começa a ficar sobrecarregado. Ele permanece no Chrome, mas é esperado que deixe de entrar tantas vezes em ação com a adição do Page Lifecycle Interface.