Xbox Game Pass

 

A Microsoft quer agora ser a Netflix dos games, com o lançamento do Xbox Game Pass.

É uma oferta parecida com o que a Electronic Arts faz no EA Access, mas com um catálogo mais amplo, incluindo mais de 100 jogos do Xbox One e Xbox 360, que podem ser baixados e jogados a partir de uma assinatura mensal de US$ 10.

E nesse momento, executivos da Sony começam a arrancar os cabelos.

 

 

A Netflix dos jogos

 

 

Este é um duro golpe da Microsoft, que apresentou a plataforma e já disponibilizou para os membros do programa Xbox Insider. A empresa promete disponibilizar o serviço para todos os usuários até o final do primeiro semestre de 2017.

As comparações com a Netflix são inevitáveis. Mesmo com um catálogo mais limitado, é fato que o tempo que uma pessoa se dedica a um jogo é muito maior do que o tempo que leva vendo uma série em um filme. No final, o mais importante é ter um plano fixo para rodar todos esses jogos.

Obviamente, não vamos encontrar muitos jogos AAA nos primeiros meses de atividade, mas os jogos vão chegar ao serviço (e vão desaparecer dele, com as ofertas mudando gradualmente), permitindo uma variada oferta de jogos mais ou menos recentes.

Para muita gente, o Xbox Game Pass é sinônimo de diversão garantida. Para a Microsoft, pode significar mais uma sobrevida ao Xbox 360, por exemplo. E sem precisar lançar jogos novos para o velho console.

 

 

Um modelo de assinatura quase perfeito

 

 

A ideia é promissora não apenas pela oferta e preço, mas também pelo funcionamento. O jogo será baixado para o disco rígido do console, aproveitando a conexão da internet exclusivamente para as partidas online.

O funcionamento do programa é parecido com o Games with Gold, com a diferença que no Xbox Game Pass eles serão funcionais apenas enquanto você estiver assinando o serviço. Ou seja, você tem o direito de utilização de um jogo enquanto estiver assinando. Se quiser, pode comprar o jogo em definitivo com 20% de desconto se você for um assinante do serviço.

A Microsoft ainda não especificou alguns detalhes da oferta, como planos familiares ou preços para assinaturas anuais. Também há dúvidas sobre a possibilidade dessa opção estar disponível para PCs, através da convergência Xbox Play Anywhere. Tudo indica que sim, mas com um catálogo menor, mais reduzido ou completamente diferente.

 

 

As assinaturas não são para todos, mas sim para muitos

 

 

A manobra da Microsoft é muito significativa. Valida um modelo de assinatura cada vez mais presente em todos os segmentos. Mostra a mudança da filosofia da empresa, e repete o formato estabelecido (e consagrado) com o Office 365.

A melhor parte é que o Xbox Game Pass é uma alternativa que complementa o modo tradicional de vendas, sem eliminá-lo. Você pode seguir comprando os jogos sem esta assinatura, mas se você quiser testar muitos jogos e talvez comprar algum deles, mesmo que sejam mais antigos, essa é a via ideal.

OK… agroa é preciso ver como a Sony responde à essa iniciativa.

O PS Now ficou para trás na oferta e nos recursos. Mesmo que a oferta seja atraente, jogar por streaming não é tão o apelo principal. Ou a Sony reage logo e bem, ou pode ser que os indecisos optem pelas plataformas da Microsoft com maior facilidade.