Windows Vista

 

O Windows Vista completou 10 anos de vida, e é classificado como “um dos piores” sistemas operacionais da Microsoft, se não for o pior. Mas… é para tanto? Por que fracassou?

 

O Windows Vista foi lançado em 30 de janeiro de 2007, cinco anos depois do Windows XP. Foi a maior janela de intervalo entre dois sistemas operacionais da Microsoft em sua história, e criou muita expectativa por todos.

Mesmo com uma campanha de lançamento multimilionária (no nível do Windows 95), rapidamente se comprovou que o Windows Vista seria um fracasso, mantendo a tradição da Microsoft em alternar entre sistemas bons e ruins. Até Steve Ballmer admitiu que o software foi o maior erro de sua gestão.

 

 

Novidades no Windows Vista

 

 

No papel, o Windows Vista era para ser um sucesso. Ofereceu novidades e melhorias em quase todos os aspectos em relação ao Windows XP.

Por exemplo, a interface gráfica Windows Aero com transparência na janelas e visualização preliminar nas que estavam abertas, a Windows Sidebar e seus gadgets e a API Avalon para desenhar janelas com gráficos vetoriais.

Além disso, integrou importantes novidades de segurança, um Internet Explorer 7 melhor que o IE6, o antivírus Windows Defender, uma melhor ferramenta de restauração, firewall nativo, controle de contas de usuário e a codificação Bitlocker.

Por fim, a chegada do Windows Media Center e Windows Media Player e o suporte às novas BIOS EFI fecham o pacote de novidades.

 

 

Por que o Windows Vista fracassou?

 

 

No primeiro mês do seu lançamento, foram vendidas mais de 20 milhões de licenças do Windows Vista, o dobro das vendas do Windows XP no mesmo período. Porém, no mesmo ano, os fabricantes tiveram que oferecer discos do sistema com Windows XP para downgrade, diante da recepção negativa do Vista.

No primeiro ano, sua cota de mercado foi de 11%, e o seu topo ficou em 18%. E desde então só caiu, ainda mais com o lançamento do Windows 7.

A falta de compatibilidade de software e hardware, a necessidade de máquinas potentes, a instabilidade no funcionamento em boa parte dos equipamentos, os vários alertas de segurança, aplicativos OEM sem validar, a vulnerabilidade do Windows Gadgets e da Sidebar e a mudança de interface foram algumas das fontes de crítica que lastraram o sistema operacional desde o lançamento.

A Microsoft foi ambiciosa demais no desenvolvimento do Windows Vista, desperdiçando horas de trabalho e inovação. O software foi lançado tarde demais, e sem algumas das características prometidas.

O Vista foi especialmente mal recebido nas empresas, pela necessidade de grandes investimentos em equipamentos pelo hardware elevado e pela incompatibilidade de software. Analistas chegaram a sugerir que as empresas simplesmente saltassem a versão.

 

A Microsoft tentou remediar com um Service Pack para o Windows Vista, que melhorou alguns aspectos o seu desempenho. Mas nada disso fez com que a imagem do software fosse recuperada.

O Windows Vista estava fadado ao fracasso, e a solução às pressas foi laçar o Windows 7, baseado no kernel do Vista, mas mais rápido, compatível, com interface gráfica mais limpa e melhorada.

A Microsoft ofereceu um programa de atualização gratuita para o Windows 7, e assim matou o Vista. Mesmo contando com suporte oficial que só acaba em abril de 2017, o software está virtualmente fora do mercado.