windows-10-mobile

O Windows 10 Mobile foi oficialmente lançado, mas teve uma disponibilidade muito limitada, gerando um forte mal estar em muitos usuários que se viram excluídos dos benefícios, apesar de terem participado do programa Insider e receber as builds que funcionavam muito bem.

São muitos os dispositivos que não receberão o Windows 10 Mobile, ficando presos no Windows Phone 8.1 ou nas versões insider do novo software. Mas… o que isso realmente significa? Qual é o efeito prático da decisão da Microsoft?

São questões que merecem uma pequena reflexão.

Os dados mostram que aproximadamente a metade dos usuários com Windows Phone ficarão sem atualizações. Esse dado é importante por dois motivos:

1. A Microsoft tinha uma chance de ouro para diferenciar sua plataforma móvel de outras (como o Android, por exemplo), oferecendo um bom suporte ao usuário. Mas joga essa chance fora, e o tal plataforma perde um importante valor de mercado.

2. A Microsoft fez uma promessa e não cumpriu, iludindo muitos usuários que ficaram explicitamente decepcionados com essa decisão.

Isso tudo vai jogar contra a Microsoft, produzindo um “sangramento” de usuários, o que deve levar o Windows Phone a índices mínimos históricos, e vendo a saturação atual do mercado, esta é a última coisa que a gigante de Redmond precisa. Isso é, se a empresa realmente quer que o seu software prospere no mercado mobile (há quem diga que eles não querem isso).

Algumas fontes apontam que não se descarta totalmente a chegada do Windows 10 Mobile para mais dispositivos, já que eles estão vendo na frase “não há planos de uma segunda leva de atualizações” como um condicionante temporal, que não exclui em absoluto uma ampliação de suporte para o futuro.

Desde já, não parece ser muito provável que a mídia especializada venha a dar uma interpretação otimista demais ao que foi dito pela Microsoft, mas é fato que não podemos descartar completamente essa possibilidade. Vamos dar tempo ao tempo e esperar pelos próximos acontecimentos.

Via Winbeta