apple-launches-the-iphone-5-0.jpg

Não, amigo. Não é magia, nem tecnologia. É maracutaia mesmo. Uma empresa sediada na China acreditou ter “descoberto a roda” quando bolaram um esquema onde eles conseguiam substituir pelo menos 100 iPhones falsos por verdadeiros. E isso, direto da fonte, ou seja, da Apple.

Na China, diferente de outros países onde a Apple está presente, não existe a política de troca de um produto com defeito por um novo e funcionando. Lá, os aparelhos com defeito tem suas peças trocadas ou são consertados, e os produtos acabam sendo devolvidos ao proprietário em pleno funcionamento. E foi aí que a coisa desandou.

No final do ano passado, uma loja na cidade de Wenzhou solicitou à Apple que substituísse as peças de 121 iPhones 4S que estavam quebradas. A Apple recolheu os componentes, mas um mês depois, eles descobriram que as peças eram falsas. Ou seja, a loja pegou peças originais pelas falsas, para que eles mesmos montassem suas versões do iPhone, com hardware e software original, e vender como um iPhone “original”. É claro que a carcaça externa ainda não era de um produto da Apple genuíno (se bem que para os chineses, no quesito clonagem, o céu é o limite), mas como “quem vê cara não vê coração”, e o que realmente importa é que o telefone roda o iOS e não o Android, o esquema funcionava.

A loja em questão alegou inocência, e relatou o problema à polícia, que investigou o caso e prendeu uma das engenheiras da loja e o seu parceiro. Os dois convenciam outros funcionários a realizarem o esquema, e todos os envolvidos foram presos. Agora, fica a suspeita sobre quantos iPhones são originais na China, e o esquema de falsificação de peças era algo tão bem feito, que a própria Apple foi enganada, já que seus analistas levaram um mês para descobrir a fraude.

A recomendação pra os consumidores locais é apenas adquirirem seus produtos da Apple em lojas oficiais da empresa. E, obviamente, desconfiar quando um preço está muito abaixo do recomendado. Isso vale para você que está lendo esse post nesse momento.

Via EXAME