Smartphones de linha alta (que, lá fora, custam a partir de US$ 200) representaram mais de 83% do mercado no ano passado, de acordo com um estudo da empresa Informa. Mas esse jogo vai mudar nos próximos anos, e a expectativa é que os modelos mais caros representem apenas 33% do segmento de smartphones em 2017.

A pesquisa prevê que, em 2017, modelos com preços abaixo dos US$ 150 e sem contrato com operadoras sejam os dominantes do mercado. Essa mudança na indústria mobile não pode ser considerada uma boa notícia para os fabricantes, que esperam ver margens de preços cada vez menores, e com os preços caindo a cada ano. Por outro lado, o mercado global futuro vai sempre aumentar, mas com uma maior divisão entre modelos de gama alta (com um forte subsídio das operadoras) e os modelos mais baratos.

O analista de mercado Malik Saadi afirma que, confirme esse mercado se desenvolve, ele vai se dividir em duas categorias bem definidas: os inovadores, que vão adicionar constantemente novas tecnologias e componentes que aumentam a performance dos dispositivos, e os seguidores, que vão pegar essas inovações e adaptar para os mercados de massa.

Um bom exemplo dessa mudança de mercado, os modelos de baixo custo ou com planos pré-pagos em operadoras estão com um número de vendas cada vez maior nos últimos anos.

Via BGR.com