sony-l-series-all-in-one-press-shot.jpg

Seguindo uma tendência mundial de gradativa queda de vendas nos PCs, o mercado brasileiro registrou uma queda de 2% no volume de unidades vendidas em 2012, se comparados com os números de vendas registradas em 2011. O estudo Brazil Quarterly PC Tracker, realizado pela IDC Brasil, revela que ao longo do ano passado, foram vendidos 15.5 milhões de unidades, sendo 8.9 milhões de computadores portáteis (notebooks, netbooks e ultrabooks) e 6.6 milhões de desktops.

Uma grande queda de vendas foi registrada no quarto trimestre de 2012, período onde naturalmente as vendas dos eletrônicos de consumo recebem um grande impulso. Porém, os números mostram que nesse período, foram vendidas 3.7 milhões de unidades, que representa um volume de vendas 8% menor do que aqueles registrados no trimestre anterior. O número de vendas segue sendo maior de computadores portáteis (59%, contra 41% dos desktops).

Os fatores que explicam a queda das vendas dos computadores foram os estoques encalhados de trimestres anteriores e a opção do usuário doméstico por produtos mais baratos e portáteis, como smartphones e tablets. 66,6% do mercado total de computadores é representado pelos usuários domésticos, onde uma grande fatia acabou migrando para opções mais próximas do mundo mobile.

No consolidado do ano de 2012, os desktops tiveram queda de 12% em relação a 2011 e os portáteis cresceram 7%. Segundo o estudo do IDC Brasil, o que mantém o desktop no mercado brasileiro é o segmento corporativo, que também possui uma tendência de queda, mas mais lenta, pela base de desktops instalados nas empresas ainda ser grande, e a migração para notebooks em empresas não é algo tão ágil quanto nos ambientes domésticos e educacionais.

Com os resultados coletados pelo IDC, o Brasil volta a ocupar a quarta posição no ranking mundial de vendas de PCs, ficando atrás de China, Estados Unidos e Japão. E a expectativa para 2013 é que as vendas caiam ainda mais, com uma previsão de 14.4 milhões de unidades comercializadas. Só em janeiro de 2013, a queda de vendas em relação ao mês de dezembro de 2012 foi de 22%, e comparado com o mês de janeiro de 2012, a queda é de 4%.