exobota

Esse exoesqueleto desenvolvido na Carnegie Mellon e na Universidade da Carolina do Norte (EUA) não precisa de nenhuma energia extra além da mecânica do nosso movimento de caminhar para funcionar.

A “exobota” visa melhorar a forma como o indivíduo anda, apesar da evolução e crescimento natural da pessoa. O sistema permite uma redução do gasto energético no caminhar de até 7%, apenas com um sistema mecânico.

 

Um exoesqueleto para gastar menos energia no caminhar

A exobota é instalada entre o tornozelo e o calcanhar, e é fabricada em fibra de carbono. Por isso, pesa apenas 500 gramas, e seu conjunto mecânico acumula a energia gerada pelo movimento dos passos, para devolver essa energia para o usuário, sem a intervenção de um motor ou energia externa.

A energia extra seria o equivalente ao usuário deixar de levar nas costas uma mochila de 4.5 kg, além de colaborar com os músculos do pé para melhorar a forma de andar, permitindo assim a citada economia de energia nos passos. Os testes realizados com nove adultos deram resultados positivos, depois de alguns ajustes na resistência do dispositivo.

A seguir, um vídeo demonstrativo do projeto.