Um grupo de empreendedores russos estão testando uma nova forma de aquecer residências: minerando criptomoedas.

Apesar da elevada necessidade de processamento que a tarefa exige, essa prática pode ser eficiente por várias vias. Durante a mineração, uma grande quantidade de calor é gerada, e nem sempre lidamos corretamente com ela.

Logo, Ilya Frolov e Dmitry Tolmachyov decidiram usar esse calor para aquecer residências.

Eles construíram uma casa simples (76 metros quadrados) em Irkutsk, e instalou nela dois sistemas para minerar bitcoins. O calor das unidades de processamento aquece um líquido, que é bombeado por um sistema de calefação pelo solo.

O lucro do sistema em protótipo foi de US$ 430/mês, somando o processamento da moeda e a economia de energia. No lugar de aquecer a atmosfera, é melhor aquecer a residência por aproximadamente nove meses.

Quem sabe a CryptoRuble, moeda virtual que o Putin queria, não se aproveita desse sistema?

 

Via QZ