inline-ft

O projeto em desenvolvimento pela GE Global Research para melhorar os sistemas de detectores de explosivos e substâncias perigosas deu um grande salto, ao integrar esses dispositivos em praticamente qualquer lugar, de forma muito discreta e econômica.

O sensor da GG é feito em colaboração com a Technical Support Working Grouo (TSWG), agência especializada em combate ao terrorismo, e se destaca por ser sem fio e dispensar o uso de baterias para funcionar. É na verdade uma etiqueta RFID, que é acionada com a presença de substâncias perigosas ou explosivos.

Os detalhes técnicos do sensor não foram revelados por uma questão de segurança, mas um detalhe essencial foi compartilhado para compreender seu funcionamento. Um novo metal desenvolvido por eles, que responde à presença de determinadas substâncias ‘oxidadoras’, e que pode ser integrado em uma das faces do RFID.

O novo sensor, que tem ‘data de caducidade’ de meses, é muito mais acessível na fabricação, podendo ser colocado em locais de carga ou trânsito de maletas, ficando inativo e indetectável, até que uma substância ative o seu alarme. A leitura do chip pode ser realizada a uma distância de até 3-4 metros, dependendo das necessidades e da potência da antena colocada na etiqueta.

650_1000_rfid-inline

Por enquanto o novo material é focado nos explosivos, mas a GE acredita que não deve demorar muito para que outras substâncias possam ser detectadas de forma passiva e sem riscos bacteriológicos ou químicos.

Via Xakata