A Uber apresentou oficialmente a sua primeira versão do veículo que fornecerá no futuro o Uber Air.

O ‘Aria’ é um veículo que é metade helicóptero, metade drone, com fuselagem parecida com a de um avião. Esquisito, sim, porém, interessante.

No lugar de apostar em asas como os aviões ou hélices grandes como os helicópteros, o veículo possui hélices mais compactas como nos drones, mas em formato empilhado, onde cada conjunto de hélices dupla giram no mesmo sentido. Segundo a Uber, tal formato resulta em um aumento da eficiência e numa redução de ruído produzido, algo essencial para que esse tipo de veículos possa operar nas cidades.

Ele funcionaria só com eletricidade. Nada de combustíveis fósseis, o que pode ser bem vindo quando pensamos em uma maior preservação do meio ambiente. Mesmo assim, seria um veículo bem caro.

Por isso, a ideia é que os quatro passageiros que o veículo comporta possam compartilhar o serviço, no melhor estilo Uber Pool, mas aéreo.

 

 

Os veículos contarão com um piloto humano (pelo menos em uma fase inicial) e vai transportar seus passageiros a uma elevação de 300 a 600 metros do solo. Podem aterrizar no topo de edifícios preparados para isso, onde a Uber antevê a construção de terminais em diversos pontos da cidade, com capacidades para 200 aterrizagens e decolagens por hora. A Uber acredita que os custos de viagem do Uber Air serão equivalentes ao de uma viagem do Uber normal.

Por outro lado, fica difícil confiar em iniciativas tecnológicas desse tipo quando, em terra, os veículos autônomos da Uber estão enfrentando problemas diversos.

De qualquer forma, o caminho do progresso tecnológico nunca é fácil, e não está isento de erros.

O Uber Air tem previsão de se tornar uma realidade em 2023.