De acordo com fontes anônimas envolvidas com o assunto, nos próximos meses, o Twitter vai atualizar os seus aplicativos móveis, para que os seus usuários possam adicionar filtros nas fotos publicadas pela sua ferramenta. Com esta nova funcionalidade, o Twitter vai permitir aos seus usuários o compartilhamento de imagens retocadas na rede social, dispensando assim o uso do Instagram para isso.

Ainda que a possibilidade de adicionar filtros nas fotos do Twitter possa parecer uma nova característica simples dentro da rede social, ela pode ser uma parte importante do Twitter como um negócio comercial. Afinal de contas, eles vão atacar diretamente na principal funcionalidade de um popular serviço concorrente, buscando roubar um pouco de sua audiência, uma vez que o usuário não vai mais precisar passar pelo Instagram para adicionar os filtros desejados para o envio das fotos para a rede social.

A ideia de incorporar os filtros nas fotos do Twitter ficou ainda mais clara depois da noticia que o Facebook comprou o Instagram por US$ 1 bilhão (posteriormente, foi divulgado que esse valor desceu para US$ 715 milhões, mas mesmo assim…). Inicialmente, o Twitter estava buscando algumas empresas do setor de fotografia para incorporar esta ferramenta de forma mais simples e funcional, mas por causa do alto preço que a empresa de Biz Stone iria pagar para adquirir os serviços de outras empresas, o comitê executivo do Twitter decidiu que eles mesmos criariam os seus próprios filtros.

Hoje em dia, a maioria dos smartphones estão equipados com câmeras competentes o suficiente para registrar boas imagens, e com o sucesso dos aplicativos móveis dedicados à fotografia, o Twitter não quis perder essa oportunidade. Mais: não quer repetir o mesmo erro cometido pelo Flickr, que um dia, em um passado não muito distante, chegou a ser a referência entre os serviços de compartilhamento de fotos na web, até que o Instagram chegou, e você sabe muito bem o que aconteceu.

Além disso, alguns funcionários do próprio Twitter comentam que a empresa está explorando a possibilidade de upload e edição de vídeos em seus aplicativos móveis, sem ter que passar por serviços e/ou aplicativos de terceiros (a.k.a. YouTube).

Para o Twitter, é fundamental criar soluções que chamem a atenção do usuário dos dispositivos móveis. A competição com o Facebook é árdua, e Biz Stone sabe que a rede social de Mark Zuckerberg tem um volume muito maior de usuários e de benefícios. Como é inviável colocar aplicativos complementares no microblog, a saída para o Twitter é tornar os serviços mais usados pelos usuários propostas mais práticas para essas atividades.

Se bem que, na minha opinião, o Twitter precisa resolver outro pequeno problema antes de apostar nos filtros: o consumo de banda para envio de imagens no seu microbog. Quando enviamos uma foto pelo Instagram, o serviço adiciona o filtro e reduz a sua resolução e tamanho, para que ele seja enviado de forma rápida e prática para a página do usuário (e, por tabela, para outras redes sociais). Com isso, o envio das imagens pelo Instagram é bem mais rápido e prático do que no Twitter, mesmo com a rede 3G deficitária que temos no Brasil. Se o Twitter conseguir resolver isso, será meio caminho andado.