TV aberta

Para os jovens que nasceram com smartphones, tablets e internet, a hipótese de sempre existir a TV aberta e de graça (sem internet) é algo revolucionário.

Isso é engraçado, e mostra a mudança de comportamento nas últimas décadas. Para alguns, a TV com poucos canais ainda está fresca na memória. Já para outros, a internet está no centro de tudo.

Para as gerações frustradas com o fato dos serviços de streaming dependerem de internet decente, pode parecer mágica uma tecnologia aérea que oferece uma qualidade de imagem perfeita. E tudo isso através de uma coisa chamada antena.

Essas pessoas não fazem a menor ideia de que a TV no passado não era assim, ou do quanto era considerado loucura ter serviços de streaming que oferecesse uma qualidade de imagem perfeita.

Mas esse fascínio dos mais novos só aconteceu com o fim da TV analógica e a transição para a TV digital, sem falar na ilusão que as operadoras de TV paga vendia (onde só poderia assistir TV com um sinal decente se você pagasse por isso), além de uma cobertura sofrível em algumas áreas.

Mas as relíquias que os mais novos estão conhecendo hoje mostra que a TV aberta ainda tem vida no meio de tantos serviços de streaming e centenas de canais pagos. É algo realmente impressionante… até o momento em que os mais jovens descobrirem que as opções de canais é limitada, e que os canais disponíveis raramente cumprem com os horários anunciados.

Sem falar nos programas que são interrompidos com blocos de comerciais, e que eles não podem escolher o que assistir.

Quando isso acontecer, a mágica provavelmente vai acabar, e eles voltarão para o Netflix e o YouTube.

Tem coisas que nem sendo de graça é tão atraente assim para as novas gerações.

 

Via WSJ