Sempre que você se perguntar “por que quando finalmente eu compro um produto microSDHC de 16 GB, surge no mercado um novo de 32 GB, me fazendo de besta?”, tenha em mente que a resposta está diretamente ligada à densidade dentro dos processadores. E como estão surgindo novas tecnologias que estão reduzindo o espaço necessário para os circuitos serem impressos, não adianta arrancar os cabelos ao pensar na possibilidade de você ver em breve cartões de 128 GB, 256 GB e 1 TB de armazenamento, e ainda menores do que temos hoje.

Um exemplo do que estou falando vem da Toshiba. A empresa vai investir US$ 160 milhões em uma linha de produção para testar a próxima geração de memórias flash, com circuitos de menos de 25 nanômetros. Por enquanto, a Toshiba fabrica memórias NAND de 32 nm e 43 nm, mas reduzir este número para 20 nm ou menos já permite à empresa montar uma quantidade de memórias muito maior do que são fabricadas hoje. Se tudo correr conforme o planejado, os chips abaixo de 25 nanômetros poderão chegar ao mercado em 2012.

Fonte