atentados-paris

Os trágicos eventos em Paris na semana passada levantou mais uma vez o debate sobre a segurança e a privacidade das pessoas, e como a luta para isso deveria (e poderia) ser mais efetiva. A guerra contra a cifragem das comunicações voltou a ser o tema, mas diante da falta de evidências ou diante dos rumores que o PS4 foi utilizado para as comunicações, aparece algo surpreendente: que os terroristas usaram mensagens SMS sem codificação para coordenarem os ataques.

O site The Intercept levanta a bola sobre isso. Vários veículos mostram dados considerados oficiais sobre as investigações, onde o que mais se destaca é o Le Monde, que explica como os investigadores conseguiram acessar o telefone de um dos terroristas. Nele, aparecem mensagens SMS que que dizia algo como “estamos fora, começamos”, enviado às 21:42 da noite de 13 de novembro.

Também apareceram detalhes sobre os planos que Abdelhamid Abaaoud, o suspeito de colocar em marcha todos os atentados de Paris, estava preparando há 10 meses para eles, e que teriam lugar também na Bélgica. Esses dados revelam que apesar de tentar evitar a vigilância do governo, ele não usou qualquer tipo de codificação.

A recente ação na cidade de Verveis acabou com dois suspeitos mortos e um terceiro capturado, e os investigadores belgas concluíram que Abaaoud dirigiu a operação via telefone da Grécia, mas essas comunicações foram interceptadas. Os terroristas utilizaram raros dialetos usados no Marrocos, mas as conversas interceptadas foram aquelas onde eles discutiam a necessidade de trocar com frequência de smartphones.

Via TechDirt