Munir Mohammed, 37 anos, nascido no Sudão mas atualmente morando no Reino Unido, enfrenta um processo penal por ser acusado de planejar armar uma bomba. Em sua defesa, ele coloca a culpa toda no Facebook, por ensiná-lo a fabricar a bomba.

Para ele, se não é permitido que as pessoas leiam esse tipo de conteúdo, é então obrigação do Facebook eliminar essas postagens. E, se ele aprendeu a armar a bomba na rede social, a culpa não é dele, mas sim da rede social e das pessoas que compartilharam aquele conteúdo.

Munir simplesmente afirma que só viu porque apareceu na tela dele. Leu o tutorial inteiro sobre como armar uma bomba, obteve o conhecimento e decidiu seguir o projeto em frente.

Mohammed é acusado de conspirar com Rowaida El-Hassan, 33 anos, formado em farmácia com Master em uma universidade ao norte de Londres, para armar uma poderosa bomba com componentes acessíveis. A bomba é conhecida como “A Mãe de Satã”.

Depois de detectar o potencial perigo, as autoridades invadiram a casa de Munir e encontraram no local três dos materiais necessários para armar o explosivo.

Ele garante que usava os materiais para limpar carros, e toda sua defesa se baseia agora no Facebook.

E então? Culpado ou inocente?

 

Via Derby Telegraph