nokia-normandy1

A Mobile World Congress 2014 está prestes a começar, e uma das tendências para o evento desse ano pode ser os smartphones de baixo custo. Este é um setor em alta, graças à redução de preços que permitem que os modelos de linha média sejam oferecidos com preços competitivos. Essa evolução vai continuar na MWC 2014, e vamos falar um pouco sobre isso a seguir.

Os smartphones baratos agora são excelentes

Em um passado não muito distante, era inviável ver um bom smartphone por um prelo reduzido. Hoje, isso está se tornando comum. Falamos de modelos de linha média que estão com preços que, em 2012, eram de telefones de entrada. Modelos como o Motorola Moto G contribuem para esse processo, já que muitos fabricantes foram praticamente arrastados para essa tendência.

No universo Android, vemos muitos dispositivos que seguem essa estratégia, oferecendo características semelhantes por menos de 200 euros (ou algo em torno de R$ 600-700 no Brasil). Todos os fabricantes vão seguir essa tendência, que é interessante para os usuários, oferecendo um amplo catálogo de dispositivos. Ao longo da semana que vem, falaremos mais detalhadamente sobre alguns desses modelos.

No mundo do Windows Phone, são esperadas mudanças mais significativas. O Nokia Lumia 520 é o carro-chefe da Microsoft (pode ser encontrado no Brasil por menos de R$ 400), e talvez um novo modelo de entrada apareça para substituí-lo. Mas Não espere muitas novidades para a MWC. A Microsoft deve ser mais detalhista na Build Conference, em abril, quando eles vão apresentar o Windows Phone 8.1

Nos sistemas menores, temos o Firefox OS, da Mozilla, que deve estar presente em novos dispositivos, como o ZTE Open C, e isso reforça a aposta nos smartphones mais baratos.

Os chineses, cada vez mais importantes

Se existe um país dominante no mundo dos smartphones baratos, esse país é a China. Empresas como Huawei, ZTE ou Lenovo estarão presentes na MWC 2014, mostrando em primeira mão as suas armas para conquistar consumidores de todo o planeta.

A Lenovo terá atenção especial esse ano. Até porque comprou recentemente a Motorola Mobility da Google, e o mercado inteiro tem expectativas sobre o que eles vão fazer com essa marca no futuro. A MWC 2014 não deve ser o local onde as grandes novidades do fabricante serão revelados sobre o assunto. Mesmo assim, todos ficarão de olho neles.

Também não podemos deixar de lado os fabricantes chineses “de segunda linha”, como Oppo, Meizu ou Xiaomi, entre tantas outras. Elas podem não estar fisicamente presentes na feira de Barcelona, mas certamente veremos novidades dessas marcas nos próximos dias.

Quais smartphones baratos veremos na Mobile World Congress 2014?

Por partes.

A Sony deve cobrir todas as categorias de produtos. Devem centrar maiores atenções nos smartphones top de linha, mas podemos ver evoluções da linha Xperia em todas as faixas de preços. Infelizmente, não dá para adiantar nada, já que não existem rumores ou vazamentos sobre o assunto.

A Samsung – tal como a Sony – vai dar maior atenção nos modelos top de linha, mais especificamente no Galaxy S5. Mas pode apresentar finalmente alguma coisa com o Tizen, mesmo correndo o risco de não receber atenção nenhuma, justamente por conta do lançamento do Galaxy S5.

A Nokia pode ter o lançamento mais importante dos últimos anos no setor mobile: o primeiro smartphone Nokia com Android. O Nokia X (ou Normandy), um modelo de entrada focado nos países em desenvolvimento, pode ser um divisor de águas para os finlandeses, antes deles irem para as mãos da Microsoft.

A HTC também está preparando novidades. O novo HTC One deve ser a principal estrela, mas outros dispositivos são esperados, principalmente na linha Desire, com vários produtos que visam atender diferentes faixas de preços.

A LG já apresentou algumas novidades. O LG G2 mini – que não é exatamente barato – e uma nova linha de entrada, o LG L Series III, com três modelos com diferentes características.

Por fim, a Huawei, que deve oferecer novos modelos da linha Ascend (D3 e P7), com baixa espessura e uso de tecnologias próprias, algo que se converte em um preço muito atraente para muitos bolsos.