motorola-razr-maxx-brasil.jpg

 

Mais uma vez, vamos tentar responder dúvidas recorrentes do mundo da tecnologia. E essa não só é uma dúvida recorrente, mas também um anseio de muitos usuários de smartphones. Talvez o desejo que os fabricantes precisam atender para que esse precioso (e caro) dispositivo possa ser considerado ideal para usuários de diferentes perfis de uso.

Recebemos a pergunta abaixo:

Estou aqui para pedir dicas de smartphones para aguentar o tranco, e chegar no fim do dia com carga suficiente para chegar em casa. Tenho um Razr i, e faço uso no dia a dia lendo e enviando emails com anexo, verificar atualizações em algumas redes sociais, olhar sites, estudar, fazer uploud e download de apostilas pelo Google Drive. No geral, faço muito uso do 3G e isso gera o descarregamento muito rápido da bateria. Diante do relato acima quais as opções que temos? O Moto X? Prefiro o Droid MAXX (mas este está disponível apenas para a AT&T). Quais são as melhores opções?

*o texto foi corrigido, para melhor adequação ao post, e para corrigir os eventuais erros de português

Resposta: 

Esse é o calcanhar de Aquiles de 90% dos smartphones disponíveis no mercado. Ao mesmo tempo que temos uma grande quantidade de recursos em um dispositivo móvel, temos um grande consumo de bateria, e muitas vezes a sua autonomia se esgota antes do final do dia. Enquanto esse problema não se resolve em definitivo (alguns fabricantes de chips usam “placebos” para amenizar isso), passo a seguir as minhas indicações.

APOSTA SEGURA: Mororola RAZR MAXX: esse é o modelo que está no mercado com maior autonomia de bateria disponível. Com uma bateria de 3.300 mAh, mesmo que você utilize todos os recursos de conectividade ativos o tempo todo, você pode esquecer o carregador em casa, que com certeza você vai chegar ao final do dia com o seu dispositivo ativo. Porém, o RAZR MAXX é um modelo relativamente antigo, e que não deve mais receber atualizações (deve ficar no Android 4.1.2 no máximo). Sem falar que o seu ponto mais forte é mesmo a bateria longa vida.

UMA SEGUNDA OPÇÃO: Sony Xperia ZQ ou Sony Xperia SP: não testei esses modelos (ainda teremos reviews deles em breve no blog), mas por relatos em outros reviews, observei que um dos pontos fortes desses novos smartphones da Sony é a forma como a interface customizada do Android adotada pelos japoneses consegue gerenciar os recursos para reduzir o consumo desnecessário de bateria. O Modo Stamina presente nesses modelos se converteram em opções muito interessantes, e o resultado final pode ser bem interessante para usuários com um uso normal dos recursos conectados. Pode ser que no seu caso essa solução não resolva por completo (uma vez que o seu perfil de uso exige do 3G o tempo todo), mas pelo menos vai apresentar resultados melhores do que aqueles entregues pelo RAZR i que você usa hoje.

UM MODELO PROMISSOR: MOTOROLA MOTO X: esse é um recém anunciado no Brasil, mas alguns reviews já publicados lá fora apontam como um dos pontos positivos do Moto X é a sua autonomia de bateria. É possível que isso aconteça, uma vez que a interface Android da Motorola é muito pouco customizada, e sem muitos recursos considerados “inúteis”, o que ajuda na hora do consumo da bateria. Recomendo que fique de olho no que os blogs brasileiros vão falar sobre esse modelo nas próximas semanas.

Um detalhe importante: um smartphone é um dispositivo de alta performance, que naturalmente exige do seu conjunto técnico uma maior energia para realizar as suas tarefas. Parte de uma melhora de consumo de bateria TAMBÉM passa pelo comportamento do usuário no dia a dia com o dispositivo. Ou seja, para a maioria dos smartphones, não ha milagre, infelizmente. Como disse um pouco acima, o único que pode ser chamado de “aposta segura” em um uso pleno de performance é o RAZR MAXX, porém, você abre mão de um dispositivo com uma versão mais recente do Android, sem falar no hardware mais “antigo”.

Logo, nesse caso, não apenas encontrar um aparelho que atenda às suas necessidades, algumas mudanças de postura são necessárias, como por exemplo realizar ajustes de tela que preservem a quantidade de bateria consumida, estabelecer um intervalo para receber os dados dos aplicativos conectados, verificar se realmente o 3G precisa ficar ligado o tempo todo, e até mesmo adquirir uma bateria externa para conectar ao dispositivo de tempos em tempos.

Lembre-se: pelo menos por enquanto, ou você se adapta à demanda de suas tarefas, ou você corre riscos de ficar com um smartphone desligado ao final do dia. E o jeito ainda é esperar que os desenvolvedores de hardware resolvam esse problema nos futuros lançamentos.