note8ipadmini

Estamos estreando hoje um novo segmento no TargetHD.net. Recebemos todos os dias dúvidas diversas de leitores do blog e ouvintes do podcast que consideramos interessantes para outros usuários. Dúvidas sobre produtos, questionamento de comparativos e outras curiosidades que precisam ser esclarecidas. Com o objetivo de compartilhar (e responder) tais dúvidas, criamos o TargetHD Responde, que é o local do blog onde vamos esclarecer essas dúvidas.

Para participar desse segmento do TargetHD, mande sua dúvida na nossa área de contato, ou através do Twitter @TargetHD. Se ela for interessante o suficiente, ela será respondida aqui. Lembrando: não vamos responder questões técnicas, que devem ser buscadas diretamente junto ao fabricante do produto, em seus respectivos canais oficiais.

Recebemos do nosso leitor @euCSB a seguinte dúvida via Twitter:

“Hoje, qual vale o investimento, apesar de não sabermos o preço: iPad mini ou Galaxy Note 8?”. 

Resposta: 

Pode parecer meio óbvia a resposta, mas alguns fatores precisam ser observados antes de uma resposta definitiva. A primeira delas você mesmo falou na sentença da pergunta: o preço. Ainda não sabemos o valor do Samsung Galaxy Note 8, nem aqui, nem lá fora. A tendência é que ele custe aproximadamente o mesmo preço do iPad mini ou um pouco mais caro, uma vez que esse é considerado um competidor direto dentro desse segmento (tablets com tela de 8 polegadas)

Outro fator a ser observado é que não podemos fazer nenhum tipo de avaliação sem testar os produtos, e os dois não estão disponíveis no mercado brasileiro. Logo, tudo aqui está na zona da teoria, e certamente mudaremos algumas opiniões expressadas quando os produtos passarem pela nossa avaliação. Até porque quem fica com a velha opinião sobre tudo é burro.

Dito isso, podemos fazer um comparativo puro e simples no seu hardware, para começar. E, nesse quesito, o Galaxy Note 8 é melhor do que o iPad mini em quase tudo. Tem resolução de tela melhor, maior quantidade de RAM, processador mais rápido e interface de usuário personalizável. O grande ponto de vitória do iPad mini é a presença da conectividade 4G (o Note 8 fica no 3G), além do peso que é ligeiramente mais leve. Logo, se pensarmos apenas nesse quesito, a escolha do Galaxy Note 8 parece ser a mais acertada.

Porém, não podemos nos prender à isso. A experiência de uso é muito importante, e deve ser levado em consideração em dois pontos distintos. Se você nunca usou um tablet na vida, pode ser que o iPad mini ofereça uma experiência mais prazerosa, por causa da simplicidade do sistema iOS. Se você é um geek mais experiente, o Galaxy Note 8 pode oferecer mais possibilidades em tarefas específicas, como jogos e exibição de vídeos.

Também temos que levar em consideração a preferência pessoal do usuário. Se você é fã do iOS ou do Android de forma convicta, sua escolha já está feita, independente de qualquer coisa dita nesse post.

Uma coisa que é bom enfatizar é que a tendência é que os dois produtos cheguem ao mercado brasileiro mais ou menos ao mesmo tempo (não sabemos quando; talvez algo seja anunciado sobre o Note 8 durante o Samsung Forum, que acontece nessa semana na Colômbia), porém, há uma grande desvantagem em relação ao iPad mini. O pequeno tablet da Apple foi anunciado em outubro de 2012, e nós já entramos no mês de março de 2013, e o produto ainda não tem nem pistas de ser lançado no Brasil.

Sem falar que estamos na iminência desse mesmo iPad mini receber atualizações antes do final do primeiro semestre de 2013, ou no começo do segundo semestre do ano, em uma versão com recursos de hardware mais potentes e, quem sabe, uma tela Retina. Logo, fica aquele aviso que se você comprar a versão atual do iPad mini, você pode comprar um produto “desatualizado” (ou que pode ficar para trás em poucos meses).

Concluindo, e levando em conta o fato de ser um investimento desprovido de preconceitos técnicos, pelo menos por enquanto, o Samsung Galaxy Note 8 é mais promissor de um modo geral. Resta saber se o preço (que até agora não foi anunciado) vai valer a relação custo/benefício do produto.