Arquivo para a tag: vendas

Fones de ouvido sem fio já são preferência da maioria dos usuários

by

homem com fone de ouvido sem fio bose

Se você já usa fones de ouvido sem fio ou se interessa em comprar um, saiba que você não está sozinho. É uma tendência global, e nos Estados Unidos as vendas desse tipo de acessório já são superiores ao dos fones com cabos.

Pela primeira vez na história os fones Bluetooth venderam mais, com a ajuda de marcas como Beats, LG e Bose. Lembrando sempre que a Beats foi recentemente adquirida pela Apple, e pode determinar uma mudança nesse sentido inclusive nos futuros iPhones.

A consultora NPD Group é a autora do estudo relativo às vendas do mês de junho nos Estados Unidos. 54% da receita das vendas de fones de ouvido foram de acessórios Bluetooth. O acumulado do primeiro semestre é de 42%.

Um dos segredos da mudança está no fator preço, onde os fones Bluetooth ficaram 5% mais baratos nos últimos 12 meses, com preços de US$ 50 ou menos. Essa faixa de preço deve ser responsável por 30% das vendas.

Não dá pra saber se o que ocorre nos Estados Unidos é o mesmo que acontece no restante do planeta, mas considerando que a oferta de fones é muito parecida e o interesse do público também, não será surpresa se a tendência for a mesma.

 

Os smartphones adoram fones Bluetooth

vendas-fones-bluetooth-fabricantes

 

Os fones Bluetooth não são perfeitos. Sua autonomia de bateria é um limitador, mas o seu preço, design e qualidade de áudio só melhoram, o que resulta em uma compra ideal. Hoje, etemos modelos icônicos, com as empresas investindo muito nesse setor.

Outras vantagens estão no maior investimento de tecnologia pelos fabricantes, como melhorias no circuito de cancelamento de ruído, inclusão de telas touch, aplicação de filtros entre outros. Sem falar dos aplicativos para smartphones que deixam a experiência ainda melhor.

Via NPD

Galaxy S7 entrega para a Samsung o seu melhor trimestre em dois anos

by

galaxy s7 edge teaser

A Samsung revelou o seu relatório financeiro correspondente ao segundo trimestre de 2016, e os dados indicam que o Galaxy S7 foi o principal responsável para os sul-coreanos alcançarem o seu melhor trimestre dos últimos dois anos.

Os lucros obtidos pela Samsung no período foram de US$ 7.220 bilhões, ficando dentro do esperado pelos analistas. O aumento foi de 18% em relação ao segundo trimestre de 2015. As receitas foram de US$ 45.2 bilhões, 4,9% a mais do que no mesmo período do ano passado.

 

Os smartphones impulsionaram

O segmento móvel registrou um lucro de US$ 3.8 bilhões no trimestre, um aumento de 57% em relação ao segundo trimestre de 2015. São os melhores números para esse período desde 2014.

Os “culpados” disso são o Galaxy S7 e o Galaxy S7 Edge, além da rentabilidade das novas linhas média e de entrada (séries Galaxy A e Galaxy J). Além disso, a redução do catálogo de produtos (ainda que você não perceba, ela existe) fez efeito, além da expansão de algumas séries em mercados específicos (Galaxy C na China).

 

Mais de 78 milhões de smartphones vendidos

De acordo com a Strategy Analytics, a Samsung colocou no mercado mais de 78 milhões de smartphones. Não há dados concretos sobre os modelos, o que impede um comparativo direto de vendas entre o Galaxy S7/S7Edge e os 40.4 milhões de iPhones vendidos no mesmo período.

Já a Canalys aponta para 80 milhões de dispositivos vendidos, 24% do total do mercado global no segundo trimestre de 2016. A Apple ficaria com 12%, seguida pela Huawei, com 9%.

Os números obtidos no setor de smartphones compensaram as contas negativas dos outros setores da Samsung, como por exemplo os semicondutores e as telas. A queda dois dois segmentos no período foi de 28% mas a empresa espera revitalizar esses negócios com os investimentos nas telas OLED e as novas memórias NAND. Os dois elementos devem ter maior demanda nos próximos trimestres.

A Samsung es pera manter o seu ritmo de vendas no terceiro trimestre, período onde os novos Galaxy S7/S7 Edge devem perder fôlego nas vendas, mas em compensação, o Galaxy Note 7 chega ao mercado, com anúncio confirmado para o dia 2 de agosto.

Via Samsung

Samsung lucra mais do que nunca com o Galaxy S7

by

galaxy-s7-leak-teaser

O último trimestre financeiro da Samsung foi fenomenal, graças ao bom trabalho do Galaxy S7 nas vendas.

A Samsung revelou que espera obter no último trimestre financeiro lucros operacionais de US$ 7 bilhões, muito em parte por conta do segmento de smartphones. É um pouco abaixo dos US$ 7.6 bilhões acumulados em 2013, mas ainda assim são números espetaculares, registrando um aumento de 17% em relação ao ano passado.

Também é o maior nos últimos dois anos, quando conseguiram um lucro operacional de US$ 7.4 bilhões no primeiro trimestre de 2014.

 

78 milhões de smartphones distribuídos

Os dados completos só serão anunciados no final de julho, mas já sabemos que a divisão móvel liderou esses ganhos nos dois últimos trimestres. Os lucros teriam subido em 54.5% em relação ao mesmo período do ano passado. A Samsung teria distribuído 15 milhões de unidades dos modelos Galaxy S7 e Galaxy S7 Edge entre os meses de abril e junho, com vendas maiores para o modelo de tela curva, mesmo sendo mais caro.

A Samsung não revela o total de unidades vendidas no período, mas estima-se uma distribuição de 78 milhões de unidades. Levando em conta que no primeiro trimestre foram vendidos 81.18 milhões de smartphones com o lançamento do Galaxy S7, os números do segundo trimestre são excelentes.

O que fica claro aqui é que o lançamento do Galaxy S7 permitiu que a Samsung desse um bom respiro em relação às vendas e lucros. Somando-se ao fato da queda nas vendas do iPhone 6, temos um cenário muito favorável para os sul-coreanos.

Resta saber como a Apple responde com o futuro iPhone 7, já que a empresa experimentou em abril a primeira queda de vendas em relação ao ano anterior.

Via Reuters, Yonhap News, The Wall Street Journal, Samsung

Envio de smartphones cai durante o primeiro trimestre de 2016

by

smartphones

Parece que 2016 não será um bom ano para o mercado de smartphones. Pela primeira vez na história é esperado que o aumento em porcentagem não alcance os dois dígitos no final do ano, algo que começa a se confirmar já nesse primeiro trimestre.

O TrendForce compara os dados obtidos durante o primeiro trimestre de 2016 com os dados do mesmo período de 2015. Foram enviados 292 milhões de unidades, uma redução de 1.3% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior, e 18% em comparação com os dados do último trimestre de 2015. Possivelmente o dado mais importante está relacionado com a Apple, cujos envios do iPhone reduziram pela primeira vez se comparados com o mesmo trimestre desde 2007.

Durante o primeiro trimestre de 2016, foram enviados ao mercado 42 milhões de iPhones, uma queda de 43,3% em relação ao mesmo período de 2015. A previsão é que serão enviados ao mercado menos de 15 milhões de unidades do iPhone SE.

Sobre a Samsung, no ano passado a empresa enviou 316 milhões de dispositivos, e as previsões apontam para um número similar para 2016. Os sul-coreanos enviaram 81 milhões de smartphones durante o primeiro trimestre desse ano, um aumento de 2.5%, mas uma queda de 20% em relação ao último trimestre de 2015.

A Huawei fica com a terceira posição (atrás de Samsung e Apple, respectivamente), com 27 milhões de dispositivos enviados no primeiro trimestre de 2016. A Lenovo (com os números da Motorola) fica na quarta posição, ocm 17 milhões de unidades e queda de 5.6% em relação ao último trimestre de 2015. A Xiaomi fica com a quinta posição, com 16 milhões de dispositivos.

Depois de anos com crescimentos espetaculares, é normal que o mercado de smartphones alcançasse a sua saturação, ainda mais sabendo que há mais dispositivos no mercado do que pessoas. Isso mostra o sucesso desse tipo de dispositivo em todo o planeta, uma vez que soube se adaptar a consumidores de todos os tipos.

Via PhoneArena

Vendas de iPhones caem pela primeira vez em sua história

by

iPhone-SE-teaser-2016

A Apple viveu uma sequência de quase nove anos consecutivos de aumento nas vendas de iPhones desde 2007, quado o primeiro smartphone da empresa foi lançado. Isso fez com a gigante de Cupertino se consolidasse como umas das empresas de tecnologia mais sólidas do mercado. Porém, a sequência de alta chegou algim.

No último trimestre, a Apple deu sinais claros de estancamento nas vendas, que podem experimentar uma queda em alguns dos trimestres que restam antes do fim de 2016. A primeira queda pode acontecer no trimestre que termina em junho, mas ainda não sabemos se será um retrocesso “simbólico” ou mínimo, ou se veremos um calro sinal de retrocesso em relação ao período anterior.

Em todo caso, está claro que até a Apple está ciente dessa situação, já que várias fontes indicam que a empresa ajustou inventários e reduziu pedidos de componentes essenciais para a fabricação do iPhone.

Bem sabemos que nada nessa vida é eterno, e que tudo o que sobe quem que descer um dia. A Apple não seria diferente de absolutamente nada nesse mundo. O que resta saber é se realmente a queda é um motivo para ligar o sinal amarelo na empresa, ou se veremos apenas um pequeno tropeço para uma recuperação posterior.

Via TweakTown

Diante das dúvidas do seu êxito, iPhone SE se esgota nas Apple Stores dos EUA

by

iphone-se

Muito se questionou sobre essa estratégia da Apple em voltar para as telas de 4 polegadas. Ainda que a Sony tenha mostrado com os modelos Compact que há um interesse, foi com o iPhone SE que escancarou essa impressão, esgotando seus estoques nas Apple Stores dos Estados Unidos.

Porém, o mercado só tem modelos de 4.7 polegadas. Não menos que isso. Se buscamos algo minimamente potente entre os telefones pequenos, é preciso sacrificar várias especificações. As quatro polegadas, que pareciam coisa do passado, estão de volta com o iPhone SE bem procurada.

 

Altas expectativas, mas que decepcionaram

iphone-30 milhoes-4 plegadas

Bem sabemos que o primeiro final de semana de vendas dos modelos da Apple faz muito barulho. Filas nas portas das lojas com pessoas querendo o novo smartphone a qualquer custo, e essas vendas presenciais se somam às vendas online. Ou seja: novo smartphone da Apple é sinônimo de sucesso.

Até o iPhone SE, é claro. As vendas do primeiro final de semana desse modelo foram certamente decepcionantes, e muitos se basearam nisso para dizer que o smartphone seria um fracasso. A própria Apple mostrou números de vendas de telefones com tela de quatro polegadas durante a apresentação do seu novo modelo, mas tudo parecia ter desmontado quando na segunda as primeiras estimativas de vendas foram divulgadas.

iphone-se-launch-sales-first-weekend

Com esses números em comparação com os modelos mais vendidos da Apple, é lógico pensar que o iPhone SE não foi como o previsto. Mas um dado que precisamos levar em consideração é que este modelo foi lançado seis meses depois do iPhone 6s e 6s Plus, fazendo com que a ‘necessidade’ de um novo iPhone seja menor.

 

Esgotado nas Apple Stores norte-americanas

iphone-se-2016-teaser

Não ia vender muitas unidades, mas se esgotou. Quem tenta comprar um iPhone SE agora nos EUA, independente da capacidade de armazenamento, já recebe a notícia de que a entrega só acontecerá no final de abril. Ou seja: estoque esgotado.

Obviamente, temos que ter cuidado com essa informação, pois não sabemos quantas unidades a Apple tinha para atender os primeiros pedidos. Esgotar 10 milhões de unidades não é o mesmo que esgotar 1 milhão, e com isso, não ter o iPhone SE disponível para compra pode ser um sucesso bem relativo. É preciso ter números concretos para uma melhor avaliação.

 

Sem números, mas com a missão cumprida

Em resumo: as previsões da Apple para venda inicial do iPhone SE foram superadas. É cedo ainda para que a empresa divulgue números oficiais, mas quando isso acontecer, eles devem fazer com um sorriso no rosto por esgotarem seus estoques. Seja um ou cinco milhões, o fato é que eles venderam todas as unidades.

Quando o iPhone SE foi apresentado, muitos se perguntaram sobre esse movimento da Apple. Agora, sabendo o que eles alcançaram, já sabemos a resposta. A tela de 4 polegadas voltou porque ainda há muito mercado, e os estoques norte-americanos que esperam novas unidades desse modelo mostram isso claramente.

Via TheNextWeb

Venda anual de tablets cai pela primeira vez no Brasil

by

ipad-air-2

De acordo com o último estudo divulgado pela IDC Brasil, o país registrou a sua primeira queda em vendas no segmento de tablets desde a chegada das primeiras unidades desse produto em nosso mercado.

Em 2015, foram vendidos aproximadamente 5.8 milhões de unidades, uma queda de 38% na comparação com 2014 (9.5 milhões). No total de tablets comercializados, 5.734 milhões (98,8%) foram modelos convencionais, e apenas 111 mil (1,2%) são notebooks com telas destacáveis, ou tablets conversíveis.

Além de deixar de ser uma novidade, a instabilidade político-econômica do Brasil durante o ano de 2015 (resultando em um desemprego em alta e confiança do consumidor em baixa) deixaram os tablets em um plano secundário nas compras. Além disso, as empresas estrangeiras começaram a deixar o país por conta das sucessivas altas do dólar, o que teve como consequência uma menor oferta de produtos nas lojas. Sem falar na competição dos smartphones com tela maior (os phablets) com preços compatíveis.

Em 2015, o preço médio dos tablets foi de R$ 448, uma alta de 2% em comparação com 2014 (R$ 440).

 

Terceiro trimestre: o mais forte nas vendas de tablets em 2015. Algo atípico

Falando sobre o quarto trimestre de 2015 (entre outubro e dezembro), foram comercializadas 1.4 milhão de unidades, uma queda de 54% em relação ao mesmo período de 2014, com uma receita de R$ 657 milhões. Mesmo períodos fortes de vendas como a Black Friday e o Natal não impulsionaram os tablets no Brasil, e o terceiro trimestre foi o melhor do ano passado, com 1.43 milhão de unidades vendidas, 2% a mais do que as vendas no mesmo período de 2014.

Mesmo com um cenário desfavorável, a IDC Brasil prevê que o mercado de tablets ainda não está no fim, vivendo um período de consolidação no setor por conta das empresas. Para 2016, a previsão é de uma queda de 29% nas vendas, com aproximadamente 4.1 milhões de unidades comercializadas.

Em 2014, o mercado brasileiro representava 4.1% das vendas globais. Em 2015, a porcentagem caiu para 2.8%. Isso fez com que o Brasil deixasse a quarta posição do ranking mundial, e passasse a ocupar a nona posição em 2015.

Galaxy S7 e Galaxy S7 Edge batem recorde de reservas para a Samsung

by

GalaxyS7Edge

A Samsung tem motivos para comemorar. Não só colocou no mercado os novos smartphones Galaxy S7 e Galaxy S7 Edge como também registraram um recorde de reservas na Europa desses smartphones.

Os novos modelos são agora os Galaxys mais reservados até agora, com vendas prévias duas vezes superior ao dos modelos anteriores. Por exemplo, no caso da distribuidora britânica Carphone Warehouse, as pré-vendas (de 21 de fevereiro até 10 de março) registraram um aumento de 200% em relação aos modelos Galaxy S6 e Galaxy S6 Edge.

No Brasil, ainda não há previsão de chegada dos novos modelos top de linha da Samsung.

O Wii U é o novo GameCube da Nintendo em vendas

by

nintendo-wiiu

A Nintendo anunciou várias novidades recentemente, mas todas parecem insuficientes para trazer o Wii U para o mundo da relevância, muito menos para ganhar terreno em relação à concorrência. As vendas e os lucros caíram, e fica claro que faltam jogos de peso para o console fazer barulho.

Sem jogos, não se vendem consoles. E já podemos dizer que o Wii U tem um caminho parecido com o do GameCube, se não for pior. E sim, estamos falando apenas de dados de vendas, puros e duros. O gráfico abaixo mostra a evolução de vendas ao longo das semanas do Wii U e do GameCube, e deixando de lado o primeiro mês, ao longo do tempo o console mais velho funcionou melhor no mercado.

performance-wii-u-gamecube

Um catálogo de jogos mais potente e atualizado poderia ajudar a mudar esse quadro. Porém, a Nintendo manteve um ritmo mais conservador, sem acompanhar os avanços da Microsoft e da Sony. Com o Wii original ou com as diversas versões do 3DS, tudo funcionou muito melhor.

No gráfico a seguir, podemos ver a evolução do Wii U até dezembro de 2015, onde podemos ver claramente que são os jogos que impulsionam as vendas:

wii-u-sales

Olhando para o mercado japonês, sabemos que temos poucas unidades do Wii U nas lojas. Desde o começo de 2016, a própria Nintendo não está repondo os estoques e reduzindo os preços, com o objetivo de limpar o console do mercado. Porém, a empresa garante que não há um movimento para acelerar a morte do console. Porém, este é um claro indício que querem abrir espaço para novos consoles.

Sobre o Nintendo NX, muito se fala, mas pouco se concretiza. Não sabemos as especificações, datas de lançamento ou o formato do console, já que os japoneses podem nos surpreender com uma mescla entre portátil e desktop. Tudo indica que ele só será um produto real no final de 2016 em alguns mercados. Mas muitos esperam que na E3 2016 em junho ele será apresentado (ou pelo menos algo sobre ele será apresentado).

Esperamos que a próxima geração de consoles se revele mais rapidamente, com um melhor trabalho de marketing e com consoles mais parecidos com a concorrência. A Nintendo sabe gerenciar seus títulos, mas para jogos multiplataforma, não podem ser a pior opção. Os últimos rumores indicam que a AMD pode ser a criadora do hardware principal.

miitomo

Não podemos nos esquecer na outra aposta da Nintendo em 2016: os smartphones. Muita atenção no Miitomo, que chega agora em março, marcando o começo de uma nova estratégia na história de uma empresa conservadora com seus recursos. O jogo está em desenvolvimento em parceria com a DeNA e será free-to-play.

HP reclama que Windows 10 não está ajudando nas vendas de PCs

by

hp-notebook

A HP apresentou seus resultados financeiros do seu primeiro trimestre do ano fiscal de 2016, e revelou números decepcionantes. Os lucros líquidos caíram 12% e suas divisões de desktops e notebooks vieram abaixo: quedas de 11% nos notebooks, 14% nos desktops e 16% nas estações de trabalho (todos os números em relação ao mesmo período do ano passado).

Os dados foram especialmente preocupantes se levarmos em conta que era para o Windows 10 ter ajudado a impulsionar as vendas desses equipamentos, ou pelo menos suavizar a queda dessas vendas. Para a HP, está claro que a promessa do novo software em melhorar as vendas não se cumpriu.

Dion Weisler, CEO da HP Ink, explicou aos investidores e analistas que, ainda que o Windows 10 seja um sistema operacional fantástico, não foi sentida ainda ‘a estimulação da demanda que muitos antecipavam e que esperávamos ver’.

hp-inc-2016-01

Os problemas da HP não se limitam aos PCs ou notebooks, mas também ao seu negócio de impressão. A queda no segmento foi ainda maior (17%), o que é chamativo para uma empresa que seguiu apostando nesse tipo de solução.

Logo, é preciso observar com maior atenção o cenário da HP, onde o futuro das vendas de PCs e notebooks – e até mesmo de impressoras – parece comprometido pelo auge de outros tipos de dispositivos, e pela presença absoluta do smartphone como elemento essencial da rotina diária e milhões de pessoas.

Fato é que: com ou sem o Windows 10, a fase da HP não é das melhores.

Via ChannelRegister

7.6 milhões de smartphones Xperia vendidos, que pesam menos nas contas da Sony

by

sony-mobile-kaz-hirai

Os resultados financeiros da Sony mostram lucros mínimos em alguns dos seus departamentos importantes, mas também mostram um bom equilíbrio de forças para uma empresa do seu porte. Esse post fala mais sobre a linha de smartphones Xperia.

No quarto trimestre de 2015, foram vendidos 7.6 milhões de smartphones. Não houve crescimento de cota, tem uma venda de menos unidades, e é uma marca inferior ao que se esperava nas expectativas mais moderadas. Com esses números, é esperado que o ano fiscal da Sony termine com 25 milhões de dispositivos Xperia vendidos, o que representa uma redução de 7% em relação ao ano anterior (27 milhões de unidades), e as expectativas dos japoneses era superar a marca de 30 milhões de unidades vendidas.

xperia-units

As vendas não correspondem ao que os produtos oferecem. É complicado até para quem está melhor posicionado na tabela, com exceção da Huawei, que é uma das poucas que obteve melhorias de um ano para cá. Em consequência, as vendas caíram 14.7% em comparação com o ano passado, e a Sony afirma que eles mesmos confirmaram isso, com a decisão de não seguir adiante com a escala nos smartphones pela rentabilidade, e que a utilidade da operação melhorou significativamente para o segmento. Ao menos a divisão Xperia deu lucro: US$ 201 milhões.

xperia-lucros

O quarto trimestre fiscal da Sony não será tão bom. A previsão é de 3.5 milhões de unidades vendidas, números que foram alcançados em 2011. Mas a Sony não visa ser a líder de hardware como no passado, mas sim uma empresa mais sóbria, que aproveita melhor os negócios onde pode fazer a diferença. Está evidente que o PlayStation é o seu foco principal, de modo que os investimentos no PlayStation VR são altos.

2016 será como 2015, com quedas no maerketing e em pesquisa e desenvolvimento no segmento mobile. Não dá para apostar em uma venda na divisão móvel, mas parece complicado que eles vão seguir alimentando uma divisão que a Sony nunca conseguiu grande destaque, ficando muito longe de Apple, Samsung e dos fabricantes chineses.

Via Sony

 

EA pode ter revelado as vendas do Xbox One

by

xboxone

Desde o lançamento do Xbox One, a Microsoft nunca informou oficialmente o número de unidades vendidas em todo o planeta (o PlayStation 4 já vendeu 36 milhões de unidades). Porém, o CFO da EA Blake Jorgensen, durante uma conferência pode ter revelado a quantidade de unidades vendidas do console de última geração da gigante de Redmond.

O executivo menciona a marca de 55 milhões de unidades distribuídas em todo o planeta. Dito isso, resta saber se 19 milhões são de consoles da Microsoft nas ruas. Sabemos que a Sony tem vantagem nessa briga, mas até agora a gente não sabia qual era essa vantagem.

O panorama atual mostra uma leve melhora do Xbox One diante do PlayStation 4, e essa vantagem pode ser reduzida com o tempo, ainda que muitos entendam que a vantagem é muito grande para permitir uma recuperação.

Via Eurogamer

Microsoft: Surface em alta, e o Lumia despenca 49% em vendas

by

surface-book-teaser

A Microsoft anunciou os seus resultados financeiros para o quarto trimestre d e 2015, que ilustram claramente dois cenários bem definidos: a linha Surface está em ascensão, e a linha Lumia despencou.

As vendas dos modelos Surface Pro 4 e Surface Book resultaram em um crescimento de 29% nas vendas geradas peça família Surface (de US$ 1.1 bilhão para US$ 1.35 bilhão). Por outro lado, a família de smartphones sofreu uma queda nas vendas de assustadores 49%. Levando em conta que os modelos Lumia 950 e Lumia 950 XL parecem não estar a altura dos grandes do mercado, é normal ver essa tendência de queda que arrasta a empresa com a sua linha de telefones há vários meses.

Em linhas gerais, o último trimestre de 2015 não foi bom para a Microsoft. As vendas caíram em 10% em relação ao ano passado (de US$ 26 bilhões para US$ 23 bilhões), com uma queda nos lucros de 15% (de US$ 5.8 bilhões para US$ 5 bilhões). Quem obteve grande lucro é o segmento de serviços na nuvem, como o Azure, com aumento de 140%.

O Office 365 também cresceu 70% nos lucros em relação ao ano passado, alcançando 20.6 milhões de usuários. O setor de games acumula um total de 48 milhões de usuários ativos, um crescimento de 30%. Se o hardware não está nos seus melhores momentos, o software parece ser a solução dos problemas. O Skype (por exemplo) foi baixado por mais de 900 milhões de vezes no iOS e no Android, e as ferramentas do Office acumularam mais de 340 milhões de downloads.

Traduzindo: mantida a tradição da Microsoft se dar melhor no software.

Via Microsoft

LG: 60 milhões de smartphones vendidos em 2015, e dois tops de linha para em 2016

by

lg-v10

A LG apresentou os dados sobre o seu último trimestre fiscal, montando assim o acumulado de vendas ao longo do ano de 2015.

Entre outubro e dezembro de 2015, a LG vendeu 15.3 milhões de smartphones, e ao longo de todo o ano passado, foram vendidas 59.7 milhões de unidades. Uma marca um pouco melhor da alcançada em 2014 (59.1 milhões), mas sem dar o salto necessário para ameaçar Apple ou Samsung, algo que a Huawei parece ter feito. Além disso, empresas menos conhecidas no mercado global se aproximaram.

11 milhões de smartphones comercializados pela LG no último trimestre de 2015 contavam com conectividade LTE. É o primeiro trimestre que a empresa passa dos dois dígitos de unidades distribuídas com essa conectividade.

Com tudo isso, eles conseguiram vendas de US$ 3.26 bilhões no quarto trimestre de 2015, 0.4% a menos que no ano anterior, mas 12% a mais que no terceiro trimestre de 2015. É lógico dizer que o aumento se deu pelas vendas natalinas. Por outro lado, a LG registrou perdas de US$ 37 milhões no mesmo trimestre.

Fato é que a LG gastou muito em publicidade e engenharia, com muita tecnologia própria, o que resultou em ótimos produtos. Porém, as vendas não melhoraram muito em relação ao ano anterior. Ou seja, algo ainda não funciona, já que eles não conseguem chamar a atenção do grande público.

lg-vendas-q4-2015

No mercado norte-americano, a LG está tendo uma acolhida muito positiva nas vendas, e críticas muito positivas sobre o último top de linha anunciado por lá, o LG V10. A empresa prevê que os próximos meses serão complicados, por conta de uma concorrência muito pesada em todos os segmentos, especialmente entre os tops de linha, onde todos os concorrentes apresentaram produtos “premium”.

Para 2016, são esperados pelo menos dois smartphones top de linha da LG, algo que outros competidores já o fazem. Um desses modelos premium deve ser o LG G5, que tem tudo para ser apresentado durante a Mobile World Congress 2016, que acontece em Barcelona (Espanha) no final do mês de fevereiro.

Via LG

Digitimes: Samsung lidera venda mundial de smartphones no terceiro trimestre de 2015

by

Galaxy-S6-teaser

Os últimos dados da Digitimes Research indicam que a Samsung foi quem mais vendeu smartphones durante o terceiro trimestre de 2015, com aproximadamente um quarto das vendas totais.

As vendas de smartphones aumentaram em 7.7% em relação ao mesmo período do ano passado, com um crescimento de 10.5% em relação ao trimestre anterior. Se a tendência continuar, o último trimestre de 2015 pode registrar vendas totais de 396.8 milhões de smartphones, um aumento de 20% em comparação com o período anterior, e de 10.1% em relação ao ano de 2014. Se o prognóstico estiver correto, serão 1.326 bilhão de unidades vendidas.

 

Samsung e Apple no topo

Mais uma vez, Samsung e Apple seguem como os maiores vendedores, com a liderança para os coreanos com 25.6% das vendas de todo o planeta entre os meses de julho, agosto e setembro de 2015. A Apple fica com a segunda posição, com 14.5%. Em terceiro temos a Huawei, com 7.4%  e crescimentos progressivos. Lenovo (4.8%) e LG (4.5%) completam o top 5.

Na sequência temos a Xiaomi (3.8%), seguida pela BBK (3.5%), TCL (3.3%), Oppo (3.2%), ZTE (2.5%) e Sony (2%). A Microsoft só está na 12ª posição (1.7%), na frente da Meizu (1.7%), Coolpad (1.5%) e Asus (1.4%).

Os números mostram que, apesar dos quase 7 bilhões de smartphones presentes no mundo, as vendas seguem aumentando progressivamente, algo que é surpreendente. O maior volume de vendas está nos segmentos de linha média e alta, e Samsung e Apple seguem imbatíveis, com grande distância em relação aos demais. A Huawei cresce vertiginosamente, com 27.4 milhões de unidades vendidas no terceiro trimestre de 2015, um aumento de 63% em relação ao mesmo trimestre de 2014. A empresa prevê alcançar um crescimento inter-anual de 9.3% no final de 2015.

 

Via PhoneArena