surfacegate

O jornalista Paul Thurrott teve acesso a um memorando interno da Microsoft, que indica que a empresa prepara uma campanha intensa para responder ao material do Consumer Reports, que revelou uma alta taxa de devoluções de tablets e computadores da linha Surface.

Apesar da Microsoft desmentir a confiabilidade dos resultados da pesquisa publicada na semana passada, o material que Thurrott teve acesso sugere que a taxa de retorno pode ter impactado sim os resultados. Dos 90 mil pesquisados pelo Consumer Reports, 25% dos usuários tiveram problemas com o equipamento próximos ao final do segundo ano de uso.

A tabela mostra que as taxas de retorno do Surface Book alcançaram os 17% durante o seu período de lançamento, e se manteve acima dos 10% durante os seis meses seguintes. Já o Surface Pro 4 também alcançou uma taxa de retorno de 16% durante o seu lançamento, mas ficou abaixo dos 10% depois de pouco mais de um mês.

O Surface Pro 3 foi lançado com taxa de retorno de 11%, que rapidamente ficou abaixo dos 10%, se mantendo nos meses seguintes em 5% ou 6%. Não obstante, de acordo com a Microsoft, Surface Pro 4 e Surface Book estão altamente qualificados em satisfação do consumidor, em uma pesquisa de mercado realizada pela empresa Ipsos.

O memorando menciona os problemas de qualidade que os usuários experimentaram com o lançamento do Surface Book e Surface Pro 4. Os altos executivos da Microsoft colocam a culpa na Intel, alegando que a empresa entregou o seu produto mais defeituoso: a geração de chipsets Skylake. Isso causou um distanciamento entre as duas empresas, o que explica os esforços para impulsionar novamente o Windows 10.

De acordo com outra fonte confiável de Thurrot, a Microsoft teria fabricado a história das falhas da Intel, já que o verdadeiro problema está nos ajustes que foram feitos pela equipe de hardware nos drivers e algumas das configurações do equipamento.

O fiasco da versão Skylake (e o nascimento efetivo do Surfacegate) teve o seu ápice quando Satya Nadella, CEO da Microsoft, se reuniu no ano passado com a Lenovo e se deu conta que ninguém mais tinha o mesmo problema. Diante disso, a Microsoft lançou rapidamente outros produtos, como o laptop Surface e Surface Pro e, posteriormente, o Surface Hub.

Temos agora um Surfacegate.

Panos Panay disse que o seu time está trabalhando de forma intensa para melhorar o Surface Book e o Surface Book Pro para garantir o lançamento dos seus respectivos sucessores, Surface Laptop e Surface Pro, em 2017, assim como o do Surface Studio e Surface Hub com uma maior qualidade. Porém, tais melhoria não se viram refletidas nos resultados da pesquisa do Consumer Reports.

Panay também sugere que afirmar que os produtos foram um “fracasso” é um termo muito amplo, e que alguns acidentes isolados (tela congelada, touchscreen que não responde, etc) são menores e que o próprio usuário pode resolver facilmente. Ele garante que em breve a Microsoft vai revelar dados que sustentam seu argumento, pois na opinião dele, a taxa de devoluções diminuiu de forma constante nos últimos 12 meses.

Vamos esperar para ver como a Microsoft vai responder na prática ao Surfacegate. Algo que não ajuda em nada na imagem do produto.