Eis aqui a típica notícia que podemos chamar de “bomba”, ou “me pegou de surpresa”. É no mínimo estranho saber que, poucos dias depois do lançamento do Windows 8, o chefe da divisão mais importante da Microsoft (e principal responsável pelo desenvolvimento do novo sistema operacional), Steven Sinofsky, renuncie ao seu cargo na empresa. Mas tais surpresas fazem parte da vida como um todo, e o mundo da tecnologia não seria uma exceção.

Por enquanto, não há maiores detalhes revelados sobre a decisão (mas não duvido que tais informações serão reveladas em breve), de modo que tudo o que posso dizer para você até o momento é que Sinofsky, que era presidente da divisão do Windows desde julho de 2009, abandonará todas as suas responsabilidades na Microsoft, a partir da data de hoje, 13 de novembro de 2013.

Julie Larson-Green, vice-presidente do Windows e principal responsável pela mudança da interface do Microsoft Office, vai assumir a parte técnica do trabalho de Sinofsky, o que deve garantir (na teoria) a mesma filosofia adotada hoje para a implementação do sistema operacional, incluindo a proposta do sistema em “tijolos”, algo que a própria Microsoft considera como fundamental nessa nova fase do sistema operacional da empresa. Tami Reller, chefe de finanças do Windows, será responsável pelos aspectos econômicos do sistema da Microsoft, e isso incluio o marketing do produto.

Segundo o comunicado oficial para a imprensa, emitido pela própria Microsoft, a ruptura entre as duas partes foi “amistosa, e de acordo mútuo”, mas não sabemos até quando isso é algo verídico. Bem sabemos que quando uma decisão dessas é tomada, na maioria das vezes, representa um sinal claro que uma das partes não está contente com alguma coisa. Logo, vamos esperar por novas informações aparecendo nas fontes de notícias nos próximos dias.

Até porque as primeiras informações que desmentem o comunicado da Microsoft começam a aparecer na internet. Segundo o site AllThingsD, a tensão entre Sinofsky e os demais executivos da empresa de Redmond cresceu muito durante os últimos meses, e o ex-chefe da divisão do Windows ganhou a fama de ser um executivo de difícil trato. Lembrando: esses são rumores que a Microsoft JAMAIS vai confirmar oficialmente. De qualquer forma, Steve Ballmer, CEO da empresa em questão, fez a sua parte em agradecer Steven pelos trabalhos realizados durante os últimos anos, mas sem deixar de assinalar a atual necessidade da Microsoft em introduzir “ciclos de desenvolvimento mais integrados e rápidos”.

Para um bom entendedor, a frase “entre aspas” diz muita coisa.

ATUALIZADO em 13/11/2012, 15h16:
segundo post publicado pelo BRG.com, a decisão da saída de Sinofsky teve a “benção” (ou apoio, ou aprovação) de ninguém menos que Bill Gates, co-fundador da Microsoft e os motivos que levaram Gates e Steve Ballmer a tomar a decisão de demitir Steven foram muito parecidos para que Tim Cook demitisse o principal responsável pelo desenvolvimento do iOS, Scott Forstall (temperamento de difícil trato e a necessidade de maior agilidade nas atualizações do software), tornando assim o profissional “um obstáculo” para a estrutura interna de desenvolvimento da empresa. Ainda segundo a postagem, Ballmer e Gates querem “permitir que várias unidades trabalhem melhor, em conjunto, e de forma mais próxima daqui para frente”. Ou seja, essa demissão não foi tão “pacífica” assim.