Steve Jobs teria recusado o convite do secretário Washington Fajardo, da Secretaria do Patrimônio Cultural do Rio de Janeiro, que teria oferecido espaço na região da Zona Portuária ou em prédio histórico do centro da cidade, para ser o local da loja oficial da Apple no Brasil. Jobs teria afirmado que “não podemos nem exportar os nosso produtos com a política maluca de taxação superalta do Brasil. Isso faz com que seja muito pouco atraente investir no país”. E, no fim das contas, ele tem razão, ainda mais com a batalha de impostos de importação que se desenha entre Brasil e Estados Unidos.

Mais: http://www.correiobraziliense.com.br/tecnologia/blog/