Stan Larkin

Em dezembro de 2014, o coração de Stan Larkin não aguentava mais. Ele e seu irmão foram diagnosticados com miocardiopatia dilatada familiar, uma enfermidade que vai produzindo lentamente a insuficiência cardíaca.

Um transplante de órgãos não é algo simples. Não há órgãos disponíveis o suficiente para todo o planeta, e quando falamos de órgãos vitais, como é o caso do coração, muito menos. Por isso, os médios removeram o coração de Stan Larkin e o conectaram à uma máquina que, durante 17 meses, manteve o sangue bombeando o seu sangue.

“Os dois estavam muito doentes quando nos encontramos com eles pela primeira vez na unidade de terapia intensiva”, comentava Jonathan Haft, professor associado de cirurgia cardíaca na Universidade de Michigan, e cirurgião de Larkin. “Queríamos conseguir os transplantes de coração, mas não havia tempo suficiente”.

 

Um coração em uma mochila

mochila no coração

Depois de retirarem o seu coração, Stan Larkin se transformou em um dos primeiros pacientes a utilizar o “SynCardia Freedom”, um dispositivo portátil que pesa 6 quilos, que usa um compressor para bombear o sangue pelo seu corpo. Seu irmão utilizou a mesma máquina, mas conseguiu o transplante em 2015. Stan só conseguiu o seu coração em maio desse ano.

A máquina é desenvolvida para ajudar em caso de insuficiência cardíaca total quando os dispositivos desenvolvidos para ajudar na insuficiência parcial já não funcionam. E esse impressionante caso de Stan Larkin demonstrou que está é uma tecnologia que se mostrou ser capaz de manter os pacientes vivos até que um transplante aconteça.

Dar esperança, saúde e tranquilidade é o melhor uso que podemos dar para a tecnologia.