Steve Jobs

 

Não adianta vir me xingar por causa do título. Não sou eu que afirmo isso. É o próprio Steve Jobs que falou em uma entrevista em 1994, quando questionado sobre as origens do Macintosh.

Palavras de Jobs:

 

“Os bons artistas copiam, os grandes roubam”. 

 

Para a maioria, o Macintosh era algo novo e revolucionário em 1984, mas na realidade, Steve Jobs entregava ao mundo o fruto de um roubo (palavras dele) de uma GUI, ou interface gráfica de usuário, que ele encontrou dentro da Xerox PARC, uma importante divisão de desenvolvimento da empresa.

Jobs tem seus méritos. Ele cometeu o crime que milhares de pessoas tiveram a chance de fazer, já que passaram pela Xerox PARC antes do próprio Jobs.

Quem confirma é Alan Kay, um dos engenheiros que estava presente no dia que o CEO da Apple vistou o local, além de testemunhar as muitas outras visitas anteriores de outras personalidades. Larry Tessler também deu a sua versão dos fatos anos antes, em um evento.

Kay explicou que tanto o Xerox Alto – a máquina que exibia essa interface de usuário – como o Smalltalk estavam funcionando há seis anos, quando Jobs descobriu tudo em 1979.

As demonstrações começaram em 1973, em um laboratório relativamente aberto para colegas visitantes. Outros que visitaram o local? Herbie Hancock e Al Gore, por exemplo.

Os desenvolvimentos da Xerox estavam aparecendo em vários artigos científicos, com várias fotos e conteúdos relacionados ao Smalltalk, o que deixavam claro os avanços obtidos pela empresa nessa área.

Porém, aquela visita de Jobs (que só foi ver de perto o que a Xerox tinha depois que Jeff Raskin, um membro do time de engenharia da Apple, o convenceu que valia a pena) mudou a história da informática.

Jobs entendeu o que poderia ser a interface gráfica de usuário, e foi ele que gritava em uma reunião na Xerox coisas do tipo “Vocês tem uma mina de ouro aqui, por que não aproveitam essa tecnologia para mudar o mundo?”.

Steve Jobs estava tão obcecado pela interface de usuário, que não viu que outras duas grandes tecnologias poderiam ser igualmente relevantes: as redes Ethernet e a programação orientada a objetos que demonstravam todo o potencial do Smalltalk.

Mas ele nem prestou atenção nisso. Para ele, a interface de usuário era o bastante para iniciar a revolução de tudo.

E, de fato, foi.

 

 

 

Via Quora