apps-screen

Um grupo de investigadores da Carnegie Mellon University estudaram nas últimas semanas o comportamento dos aplicativos instalados em smartphones de um grupo de voluntários que não são especialistas em novas tecnologias e privacidade. O resultado do estudo mostra que os aplicativos instalados “denunciavam” a localização dos usuários a cada três minutos.

Os usuários que participaram do estudo utilizavam dispositivos com o sistema operacional Android 4.3, e instalaram um aplicativo de controle que monitorizava todos os movimentos de compartilhamento de dados, sem revelar o objetivo da pesquisa. Os voluntários seguiram utilizando o seu smartphone normalmente, com a diferença que um aplicativo avisava de tempos em tempos quantas vezes os seus apps compartilharam a sua localização.

O resultado do estudo mostra que ao longo das duas semanas de testes, foram realizados em média 6.200 compartilhamentos de localização por dispositivo, ou uma vez a cada três minutos.

Apesar do estudo completo não ter sido divulgado, o Wall Street Journal citou alguns exemplos de apps com esse comportamento. O The Weather Channel (previsão do tempo) busca a localização do usuário a cada 10 minutos em média. O Grupon (compras) a cada 20 minutos. E os piores casos são os apps que são instalados no smartphone como padrão.

compartilhar-localizacao

Na segunda fase do experimento, o aplicativo dos investigadores enviava periodicamente alertas para os voluntários, que explicavam quantas vezes a sua localização foi enviada para serviços de terceiros. Então, os participantes modificavam as suas permissões, mas voltavam a se esquecer disso quando os alertas não eram emitidos.

No final dos testes, a maioria dos usuários ficaram surpresos com a quantidade de envios de localização pelos aplicativos.

O estudo foi focado no sistema Android, mas os pesquisadores alertam que o mesmo acontece com outros sistemas operacionais, mas sem precisar quantas vezes essas informações são enviadas. Apenas como curiosidade: O AppOps, aplicativo utilizado no estudo, deixou de funcionar pouco tempo depois que os testes foram concluídos.

Via Carnegie Mellon University