xbox-one

Antes de qualquer coisa, quero deixar bem claro para os leitores com mente mais fraca (denominados fanboys): esse é um texto muito mais informativo do que opinativo. Vou dar minha opinião em algum momento nesse texto? Sim. E daí? Mais importante do que rogar praga em mim é xingar os analistas que fizeram as declarações que você vai ler nesse post. Além disso, vê se perde o seu tempo lendo esse post antes de formular uma opinião. De gente preguiçosa, que julga texto por um título ou foto, eu estou de saco cheio.

Estamos conversados? Ótimo!

Um posto publicado pelo site Game Industry está dando o que falar. Segundo analistas de mercado (veja bem, seu mentecapto: não sou eu, são os “analistas”), as vendas do Xbox One, que chegará ao mercado no final do ano, podem superar em até três vezes as vendas inicias da nova geração de console da Sony, o PlayStation 4. As últimas mudanças na política de uso do novo console da Microsoft devolveriam (na teoria) as vantagens do XOne em relação ao PS4.

Por partes. Lá fora (no Brasil o cenário é um pouco diferente), a popularidade do Xbox One foi recuperada, depois de tantas trapalhadas anunciadas pelos executivos da Microsoft durante a E3 2013. Na ocasião do evento de games norte-americano, o PlayStation 4 soube capitalizar muito bem em cima das restrições anunciadas pela Microsoft. Porém, com as modificações realizadas na política do Xbox One, já vemos os resultados práticos no movimento de pré-venda, uma vez que em muitos mercados importantes, o XOne está simplesmente esgotado.

Ainda que se espere que oferta inicial seja menor que a procura nos dois consoles no ato do seu lançamento, as principais redes varejistas estão certas que o Xbox One sairá como vencedor nas vendas inicias. A própria Microsoft confirma que, nesse momento, o volume de pré-vendas do novo console é superior ao do Xbox 360. OU seja, sem chegar ao mercado, o Xbox One já é o console mais vendido do planeta. Mas isso, na teoria.

Aí você me pergunta: “mas o PlayStation 4 custa US$ 100 a menos, e US$ 100 são US$ 100…”. Eu sei. Vamos falar disso agora.

A diferença de US$ 100 entre os dois dispositivos parece não fazer muita diferença para os consumidores em geral (de novo: baseado no desempenho de vendas lá fora; no Brasil, isso pode ser bem diferente, uma vez que o perfil de consumo e o cenário econômico do país possui as suas peculiaridades). A grande maioria dos compradores do Xbox One começaram a compreender a importância de ter um dispositivo como o Kinect em casa, que é o que justifica (em partes) a diferença de US$ 100.

Por enquanto, tudo indica que a Microsoft conseguiu se salvar do desastre, realizando as mudanças nas suas políticas de internet ou de jogos usados. Caso contrário, esse post não teria motivos para ser escrito.

Também devemos considerar a possibilidade da Microsoft reduzir o preço do Xbox One para se aproximar do valor do PlayStation 4, através de promoções e packs econômicos, algo que já acontece com o Xbox 360, ofertando controles de forma gratuita no pacote de venda, cartões de descontos na Xbox Live Gold ou jogos de graça.

Minha opinião sobre tudo isso?

Analistas podem errar. Isso é fato. Já erraram antes. Mas… até o presente momento… você já conseguiu fazer a compra antecipada do PlayStation 4? Sabe qual é o preço oficial do console da Sony no Brasil? Pois é: nesse período que você está pesquisando no Google as respostas dessas perguntas, a Microsoft está capitalizando na pré-venda do Xbox One, e essa já é uma vantagem nas vendas.

É evidente que no Brasil o cenário pode ser outro. Os US$ 100 a menos podem se refletir diretamente no valor do PlayStation 4, e isso pode fazer com que o console da Sony seja o dominante. E, pelo o que observei nas redes sociais, nem mesmo todas as mudanças feitas pela Microsoft nas políticas do Xbox One convenceram os gamers brasileiros que eu sigo no Facebook e no Twitter que a proposta da Microsoft é mais interessante. Principalmente se levarmos em conta as restrições técnicas que ainda estarão presentes no XOne (principalmente a compatibilidade com os serviços de TV por assinatura).

Mas as palavras dos analistas são apenas exercícios de futurologia, por enquanto. Tudo isso pode mudar a longo prazo. Chama a atenção a própria Microsoft afirmar que o Xbox One vende hoje mais que o Xbox 360, sem o console sequer chegar ao mercado. Mas vamos esperar para ver. Só o tempo vai dizer qual plataforma será a dominante. A única coisa que sabemos é que o Xbox One largou na frente (é o que diz as evidências).

Com informações do site Game Industry