Em 1998, a Nokia recebeu o título de maior fabricante de celulares do mundo (no volume de produtos comercializados). Durante muitos anos, foi líder no segmento de smartphones. Mas aos poucos (e todos nós estamos vendo isso todos os dias), os seus rivais conquistaram terreno, e agora, a sua coroa só se mantém graças aos telefones de linha baixa. Bom, se mantinha. Segundo a empresa iSuppli, em breve, nem esses modelos poderão evitar que a fabricante finlandesa perca o posto de #1 do mundo para a Samsung.

De acordo com as projeções da empresa especializada em estudo de mercado, quando 2012 acabar, a Nokia será responsável por apenas 24% dos telefones móveis do mundo, contra 29% da Samsung e 10% da Apple, que vai se consolidar na terceira posição. Nas demais posições, temos a ZTE e a LG, com 6% e 4%, respectivamente.

Ainda que as vendas dos smartphones de entrada sigam sendo em um volume considerável, a pujança dos smartphones e a brutal expansão do Android conseguiram desequilibrar a balança a favor da Samsung, que também vai dominar o mercado de telefones inteligentes, com 28% do mercado. Atrás da fabricante coreana, temos (na ordem) Apple, Nokia, HTC e RIM, com a distribuição ficando em 20% para a gigante de Cupertino, e as demais fabricantes listadas ficando com 5% em média (antes elas contavam com 16%, 9% e 11%, respectivamente).

Isso prova que nada é para sempre. Tudo nessa vida tem um período de ascensão, domínio e queda. Se em 2000 alguém me dissesse que a Nokia seria derrotada pela Apple em 10 anos, eu riria da cara dessa pessoa. Mais: ninguém imaginava que a empresa que era considerada referência em telefonia móvel no planeta perderia o posto de #1 no mercado de dispositivos móveis. Mas o tempo ensina.

Para ler o estudo completo da iSuppli, clique aqui.