Samsung jerry chen

A Samsung apresentou os seus resultados financeiros correspondentes ao segundo trimestre de 2017, e registrou um novo recorde, com US$ 12.7 bilhões de lucros operacionais, e US$ 9.7 bilhões de lucros líquidos.

Tal e como aconteceu no primeiro trimestre de 2017, o segredo aqui não está na venda de smartphones, mas sim em uma cada vez mais poderosa divisão de semicondutores.

A Samsung é líder absoluta nas vendas de SSDs e m tudo o que está relacionado com armazenamento em flash e memórias. A demanda e os preços subiram e, com isso, os lucros também.

Parte dessa demanda vem de outros fabricantes. Apple e Samsung podem até ser inimigas, mas são sócias fiéis: a Samsung é a maior provedora de componentes para o iPhone.

E essa parceria pode aumentar se confirmarem os rumores da utilização das telas OLED da Samsung no iPhone 8, depois de um grande investimento (financiado em partes pela Apple) e um suposto acordo entre as duas para a fabricação do SoC Apple A12 para o iPhone 9.

Outros dados explicam os lucros da Samsung.

Os coreanos vão superar a Intel como líder mundial entre os fabricantes de processadores até o final de 2017, em uma posição que os norte-americanos assumiram em 1993 e não deixaram desde então. A mudança da era do PC para a era da mobilidade mudaram o cenário, permitindo a expansão da divisão de semicondutores da Samsung.

 

 

Por outro lado, a divisão de smartphones registrou uma queda de lucros de 4.7% no segundo trimestre (US$ 3.7 bilhões). É um valor expressivo, mas longe da dependência que a Apple tem nesse segmento.

A empresa justifica a queda no aumento de custos, e não em uma queda de vendas. O Galaxy S8 está vendendo 15% a mais que o Galaxy S7 no ano passado. E a apresentação do Galaxy Note 8 em agosto pode impulsionar essas vendas ainda mais.

 

Via Samsung