samsung-benchmark-fake-galaxy-note-3

A história se repete. A alguns meses vimos como a Samsung subia discretamente os MHz dos seus dispositivos quando estes executavam um software de análise de desempenho, e eles voltam a fazer a mesma coisa com o seu último lançamento, o Galaxy Noite 3.

O site ArsTechnica utilizou um sensível monitor de sistema em modo janela, e comprovaram como o aplicativo GeekBench acessava os quatro núcleos do processador, colocando o chip na sua máxima frequência de 2.3 GHz, inclusive quando o aplicativo estava em repouso. O alarme do app disparou quando os resultados oferecidos eram notadamente superiores aos alcançados pelo LG G2, um smartphone que conta com o mesmo processador da Samsung.

Uma vez detectado o truque, eles decidiram renomear o arquivo .pkg do GeekBench, e de forma surpreendente, o Galaxy Note 3 voltou ao seu estado normal de registro de performance, com os núcleos aparecendo em repuso, incluindo o seu núcleo principal, na sua frequência mínima de 300 MHz.

Mas a principal surpresa foi oferecida pelo item DVFSHelper.java, que continham referências aos softwares de desempenho mais conhecidos do mercado: GeekBench, Quadrant, AnTuTu, Linpack, entre outros.

Particularmente, sempre achei os testes de benchmark uma grande inutilidade. Além de serem testes que só estimavam um potencial teórico dos produtos (que não se aplicam à prática da experiência de uso, pois as variantes de análise são diversas), não querem representar absolutamente nada no uso diário do dispositivo. A maioria dos usuários querem um smartphone que funcione e bem, e nada mais.

Diante de fatos como esses da Samsung, que de forma desonesta tenta impressionar os usuários maquiando suas análises técnicas, nós do TargetHD decidimos não mais utilizar os testes de benchmarks em nossos reviews. O último produto que passará por tal análise é o Motorola Moto X (cujo review vai ao ar no blog amanhã, 02 de outubro), e ainda assim pelo simples fato do review estar pronto. Como prezamos pela isenção em nossas avaliações, optamos pela neutralidade. Afinal de contas, nunca vamos saber quando um fabricante estará utilizando desse e de outros artifícios para chamar a atenção do consumidor.

Via ArsTechnica