A Intel dominava o mercado global de semicondutores desde 1992, quando superou a japonesa NEC. E manteve essa liderança até hoje, quando sabemos que a Samsung assumiu o posto de maior fabricante mundial de chips e processadores.

Essa pode ser uma mudança definitiva, se levarmos em consideração o momento de dominação do mercado de telefonia móvel e queda constante dos PCs.

A Samsung obteve lucros de US$ 7.2 bilhões, com receitas de US$ 15.8 bilhões. Já a Intel teve lucros de US$ 2.8 bilhões, com receita de US$ 14.8 bilhões.

As duas empresas devem se alternar na primeira posição, mas a expansão do mercado de dispositivos móveis beneficia à Samsung, que centra praticamente toda a sua atividade nesse negócio.

A demanda do mercado e as tendências de maior consumo de dados nos smartphones entregam um futuro promissor para a Samsung, que combinado com a SK Hynix, controlam mais de três quartos das vendas globais de módulos DRAM, e as empresas se preparam para aumentar a produção desses chips.

A SK Hynix gastou US$ 8.6 bilhões em 2017 (50% a mais que no ao passado) nessa rota de lançamento, enquanto que a Samsung vai investir US$ 18 bilhões nos próximos quatro anos para ampliar a capacidade de produção na Coreia do Sul.

Veremos como a Intel responde.

 

Via Associated Press