Super-OLED

Já nos esquecemos a quanto tempo ouvimos falar sobre as TVs com telas OLED, e como essa tecnologia seria o futuro da televisão. Mas tem um fabricante que decidiu colocar água no chope dos mais futuristas. Ainda que a Samsung tenha adotado o OLED como um dos componentes fundamentais para as telas dos seus smartphones, ela mesma profetiza que o seu sucesso nas telas de TVs vai demorar um pouco mais do que todos desejavam.

A prova disso foi a CES 2014. Tantos anúncios e lançamentos, mas pouca ênfase para as TVs com tela OLED. Em 2013, elas nem estiveram presentes em Las Vegas, e nesse ano, só LG e Samsung apresentaram alguns poucos produtos com a citada tecnologia.

Se por um lado não é necessário ver essa questão com tanto pessimismo, uma vez que tal proposta tem poucos meses no mercado, por outro lado, os demais fabricantes simplesmente não parecem dispostos a apostar nessa tecnologia para um futuro próximo, o que pode ser traduzido como uma espera de aposta para o futuro. Ou que pelo menos teremos que aprender a viver mais alguns anos sem essas telas na sala de casa.

Para a Samsung, está tudo muito claro. Bom, pelo menos no entendimento do seu chefe do departamento de telas nos Estados Unidos, HS Kin. O executivo não duvida do fato da qualidade de imagem dessas telas ser melhor do que aquelas que podemos encontrar no mercado nesse momento. Porém, com um custo inicial estimado de US$ 9 mil, são muito restritivas para que a maioria das pessoas comecem sequer a especular a compra de uma unidade de TVs com OLED.

Colocando como principal obstáculo os custos de produção, o executivo da Samsung acredita que ainda vão levar mais quatro anos para que esta tecnologia esteja preparada para chegar ao mercado de consumo. Ainda que possa parecer muito tempo (ainda mais em uma era onde a tecnologia avança muito rapidamente – vide a resolução 4K já chegando às lojas), com certeza os preços de produção devem aumentar nos próximos meses, por conta de diversos fatores.

Nesse momento, Kim apenas confirma o que todos já sabiam quando deixaram a CES 2014: o futuro imediato da TV está nas mãos do Ultra HD. E, longe de afirmar qualquer coisa com tom pessimista, não vemos grandes volumes de conteúdos produzidos nesse formato (a notícia mais importante nesse aspecto foi o anúncio da segunda temporada de House of Cards ser ofertada em 4K pela Netflix). Ou seja, nem o 4K será ofertado logo de imediato pelo consumidor, diferente do que aconteceu com as resoluções 720p e 1080p, há 10 anos atrás.

Via Gizmologia