samsung-tablet-intel

Segundo fontes próximas ao assunto (sempre anônimas, mas consideradas confiáveis), a Samsung já estaria trabalhando no desenvolvimento do seu primeiro tablet com processador Intel Atom. A Intel, que já pretendia mudar um pouco o jogo dos chips para dispositivos móveis, pode estar encontrando um novo e poderoso aliado nessa empreitada.

A explicação é bem simples. Todo mundo sabe que a Samsung conta com um potencial de produção incrível (até porque eles lançam um smartphone novo por semana…), de modo que eles podem se dar ao luxo de lançar novos dispositivos no mercado de forma constante, mas não com o objetivo de ganhar dinheiro, mas sim para “trollar” a concorrência.

Porém, um tablet da Samsung com processador Intel pode ser uma aposta muito atraente para uma boa gama de consumidores. Não só aqueles que pensam em um dispositivo potente, mas por aqueles que já apostam na marca Intel há muito tempo. Combinar a fama da Samsung no mercado mobile com o potencial que um processador Intel Atom oferece pode resultar em um dispositivo chamativo (seja ele com o sistema Android ou Windows) e sem ter o preço elevado do Surface Pro.

intel-atom-clover-trail

Por outro lado, também é dito que o primeiro tablet com processador Intel Atom a ser lançado pela Samsung (que é esse que está em desenvolvimento) seria uma nova versão do Galaxy Tab 10.1 com sistema Android. Mas nada tira possibilidade de que, em um futuro próximo, teremos como realidade a chegada de um dispositivo (ou vários) com o Windows 8, via Samsung, com um processador Intel.

A Intel sabe que precisa se fazer presente no mercado de dispositivos móveis, já que o o mercado de PCs está em claro declínio (não estou aqui dizendo que ele vai desaparecer, mas a sua queda é visível), e o mercado de dispositivos móveis segue em franca expansão. O setor é muito atraente em termos empresariais, uma vez que os usuários domésticos cada vez mais trocam os seus notebooks por tablets e smartphones.

Um processador Intel Atom da geração Clover Trail, pensado nos dispositivos móveis, oferecerá um grande desempenho aos futuros gadgets, mas sem afetar a autonomia de bateria desses dispositivos. Logo, não será uma surpresa no futuro se uma das empresas citadas nesse post tornar essas especulações fatos concretos. Isso é, se elas não fizerem esse anúncio em conjunto.

Via Alt1040