microsoft-watch-rumor

Mais uma gigante do mundo da tecnologia que está apostando na nova tendência do mercado de eletrônicos de consumo: os relógios inteligentes. Depois de Apple, Samsung, Google e LG terem seus projetos de smartwatches rumorados na internet, agora temos a Microsoft engrossando essa lista. Inclusive já estaria buscando parceiros para fornecer componentes para a fabricação do produto.

O site do Wall Street Journal informa que a Microsoft estaria buscando componentes em um número indeterminado de parceiros asiáticos, para fabricar o seu próprio relógio inteligente. Porém, nenhuma fonte confirma que a gigante de Redmond pretende lançar o produto a curto prazo, levantando a hipótese de testes internos e desenvolvimentos preliminares. Por outro lado, as demais empresas que citei no parágrafo anterior também estão nessa fase de estudar o produto e suas possibilidades. Logo, não é de se estranhar que a Microsoft seja mais uma que faça isso.

Poucas informações sobre o relógio inteligente da Microsoft foram divulgadas. Inicialmente, ele contaria com uma tela de 1.5 polegadas, tamanho esse que pode mudar depois que ele for lançado (e se ele for lançado). Uma das hipóteses é que sua interface de usuário siga o padrão atual do Windows, com as “tiles”, o que seria muito apropriado para um smartwatch.

Não seria a primeira investida da Microsoft no terreno de relógios inteligentes. Na década passada, eles apostaram no SPOT (Smart Personal Objects Technology), que não teve muito êxito no mercado de tecnologia. Outro rumor envolvendo a Microsoft é sobre o possível lançamento de um Surface de 7 polegadas, o que mostra que a empresa quer investir pesado na sua divisão de hardware, abandonando pouco a pouco o mercado de software. Não que a Microsoft vai deixar de desenvolver softwares. Mas vai ficar cada vez mais claro que não é mais a prioridade da empresa.

Se a gigante de Redmond seguir a mesma tendência dos seus competidores, muito provavelmente veremos o seu relógio inteligente até o final de 2013. É esperar para ver.

Via WSJ