De novo. Rumores começam a surgir sobre a possibilidade da Microsoft estar trabalhando com os provedores de telefonia da região asiática no desenvolvimento do seu próprio smartphone, ou o Surface Phone (nada disso é oficial, mas é o nome que a imprensa lá fora começa a especular).

Fontes próximas da empresa de Redmond e relacionadas ao assunto comentam que isso está acontecendo nesse momento. E se você é um daqueles que afirmam que “rumor não confirma nada nesse mundo”, ao menos vale o ponto de observação que essa tendência confirma o próprio desejo já declarado (em linhas tortas) por Steve Ballmer de se aproximar de um modelo de negócios similar ao adotado hoje pela Microsoft, ou seja, voltar os esforços de lançamento da empresa para o mercado de eletrônicos de consumo, deixando o mercado de softwares e de informática pra o segundo plano.

Os funcionários de alguns provedores de componentes cujos nomes não são revelados (como sempre) são as “fontes” de tais rumores. Afirmam que ainda que o dispositivo já exista internamente, não tem a sua produção em série confirmada, e que a Microsoft ainda estuda se vale a pena se lançar novamente nesse mercado. Ou você já se esqueceu da já fracassada série Kim (Kim One e Kim Two)?

As fontes também detalham que o dispositivo que a Microsoft está testando possui um tamanho de tela entre 4 e 5 polegadas, o que indica que ao menos eles vão seguir a tendência do mercado atual (iPhone 5 com tela de 4 polegadas, Samsung Galaxy S III com tela de 4.8 polegadas, etc). As especulações sobre um possível smartphone Surface estão no ar desde o mês de junho, quando a Microsoft anunciou que estava trabalhando em seu primeiro tablet.

Os rumores se intensificam por dois fatores importantes. O primeiro é que Stephen Elop, CEO da Nokia, afirmou que um smartphone da Microsoft poderia ser estimulante para o mercado de vendas do Windows Phone 8. Mesmo que isso mostre para a própria Nokia que a parceria entre as duas empresas não é tão próxima assim. O segundo comprovaria esse alinhamento de modelo de negócios que eu citei acima, pensando em um ecossistema completo de produtos, e não pensando apenas no negócio de softwares.

E isso, porque eu nem estou citando os fracos resultados de vendas dos dispositivos com Windows Phone 7.5. Agora, se os parceiros da Microsoft (Nokia, HTC, Samsung) conseguirem êxito nos seus lançamentos de smartphones com Windows Phone 8, a necessidade da empresa de Redmond desenvolver o seu próprio hardware o quanto antes possível diminui.

Por outro lado, se a Microsoft quer mesmo seguir os passos da Apple, o movimento mais lógico é lançar mesmo o seu smartphone com Windows Phone 8, principalmente se o seu tablet for um sucesso, para poder disputar em pé de igualdade com os seus rivais.