Os players musicais estão cada vez mais perto da morte (na minha opinião). Com a popularização dos smartphones, os dispositivos musicais estão sendo gradativamente deixados de lado, já que ninguém quer ficar gastando em mais um dispositivo para executar músicas (apesar de apoiar a ideia de cada dispositivo no seu lugar), e muito menos levar vários gadgets no bolso.

Porém, se os rumores se confirmarem, a Apple está indo na contramão dessa tendência, apostando ainda nos seus players musicais. Especula-se que a empresa de Cupertino está trabalhando na atualização dos modelos iPod Touch e iPod Nano. O site SlashGear é que lança a informação, e suas fontes revelam que os novos players seriam apresentados ao mundo em setembro ou outubro, no mesmo evento de apresentação do novo iPhone. Também informam que o novo iPod Touch receberia uma tela de 4 polegadas, com a tecnologia in-cell, que permitiria não só um design mais fino, mas também uma redução (teórica) de preço.

Já um analista da empresa KGI Securities garante que o player terá uma considerável melhora na sua velocidade de execução, uma vez que ele passaria a contar com o processador A5, disponível hoje no iPhone 4S. Não só isso, mas também foi possível ver um esboço do seu suposto design (render acima, no topo desse post). O novo iPod Touch terá uma carcaça de alumínio na parte posterior, prometendo assim ser mais resistente aos acidentes cotidianos.

Por outro lado, o novo iPod Nano deve receber um novo design. A Apple já informou que deseja deixar de lado o atual formato quadrado, para voltar ao formato retangular, tão tradicional no seu passado. O dispositivo passaria a ter uma tela touchscreen maior, além de um pequeno botão na parte inferior, seguindo assim o design da maioria dos dispositivos portáteis da Apple.

Pode ser que tudo isso que foi revelado se torne realidade um dia. É fato que o iPod Touch precisa de uma atualização para sobreviver. Por outro lado, acredito que nem mesmo isso vai salvar os dois players da morte, que acredito que vai acontecer em um prazo máximo de três anos.

Via SlashGear