Depois de uma série de rumores que surgiram pela manhã da última quinta-feira (07/06), a Research in Motion confirmou que vai mesmo retirar de seu catálogo de produtos o seu tablet BlackBerry Playbook de 16 GB, e de forma imediata.

Com um índice de aceitação relativamente baixo no começo de suas vendas, e com diversas dúvidas sobre a capacidade do Playbook OS, o tablet começou a se tornar mais popular entre o público menos interessado nos dispositivos Blackberry quando seu preço caiu para US$ 199. Porém, essa pode ser identificada apenas como “a melhora da morte”, uma vez que a RIM decidiu realmente abandonar o produto.

O período de consolidação do sistema operacional do BlackBerry Playbook foi relativamente longo, com tentativas fracassadas, até alcançar a versão 2.0, que equilibrava de forma aceitável a fluidez, as funcionalidades e uma boa aparência visual, que fizeram com que muitos que eram contrários à plataforma olhassem para ela com outros olhos. No seu estado atual, o Playbook até pode competir de igual para igual com o Android – inclusive executando os seus aplicativos – e o catálogo de sua App World cresce em um ritmo interessante, com aplicativos para todos os gostos disponíveis para download.

Vale registrar que o encerramento da produção vai afetar apenas ao modelo de 16 GB, que é o mais barato. Os modelos de 32 e 64 GB (com preços de US$ 249 e US$ 299, respectivamente) seguem disponíveis no mercado. O motivo alegado pela RIM parece ser bem óbvio: os modelos de maior capacidade oferecem um rendimento comercial maior, já que custam apenas US$ 50 e US$ 100 mais caro. E essa diferença de valor não representa um grande acréscimo no custo de produção.

Resumindo: para quem quer comprar o modelo de menor capacidade, é melhor correr. A tendência é que eles desapareçam rapidamente dos distribuidores internacionais depois desse anúncio.

Via Gizmologia