Os tablets Android com tela de 7 polegadas viraram mesmo a tendência do mercado. Com o lançamento de modelos como o Kindle Fire e o Google Nexus 7, esses tablets se tornaram uma alternativa bem interessante, e não só por causa do preço, mas também pelas especificações técnicas, que são bem aceitáveis para a maioria das atividades de multimídia, como vídeos e jogos.

Um dos modelos com maior sucesso do mercado brasileiro é o Samsung Galaxy Tab 2, com tela de 7 polegadas. Ele é uma evolução do Galaxy Tab original (segundo a Samsung), e é um dos primeiros modelos da fabricante sul-coreana a contar com o Android 4.0 Ice Cream Sandwich vindos de fábrica. Nesse review, vamos mostrar alguns detalhes do produto, além de descrever a experiência de uso com este modelo.

Começamos pela parte superior do produto, que possui uma câmera frontal para videochamadas, além de sensor de luminosidade. A câmera frontal tem mais efeito mesmo para se dizer que “temos uma câmera frontal nesse tablet”. Para comunicações básicas via Skype, está valendo. É mais que o suficiente.

Na parte inferior frontal, temos apenas a logomarca da Samsung, e nenhum botão físico está presente no produto. Nem mesmo os botões Android, que nos smartphones normalmente são impressos na carcaça do produto. Todos os itens de comando do sistema estão diretamente na tela, de acordo com a necessidade do usuário e da atividade exercida.

Visão geral da lateral do produto. É um tablet relativamente fino, com baixa espessura, e cômodo para ser segurado com uma das mãos, tal como um bom tablet de 7 polegadas pede.

Na lateral superior direita, temos os botões de liga/desliga e bloqueio de tela, além dos botões de controle de volume. Ambos de fácil acesso, mesmo quando você está usando o produto em um local com baixa luminosidade.

Detalhe para o acabamento da borda lateral, que mantém o tom prata, mas é visivelmente mais espesso que os modelos anteriores, também para determinar uma identificação visual mais definida (e vocês bem sabem porque estou falando disso).

Na parte superior, o conector para fones de ouvido e microfone.

Na outra lateral, temos o slot para cartões microSD, que quando aberto, aparece da forma que você vê abaixo.

É relativamente fácil inserir e remover os pequenos cartões no Galaxy Tab 2, mas por via de regra, use uma pequena chave de fenda, ou algum item com ponta para facilitar o processo.

Na parte inferior, os alto-falantes do tablet, e o conector para o cabo USB (proprietário, é sempre bom lembrar). Os alto-falantes possuem uma boa reprodução de som, com um volume que considero alto, se levarmos em conta o seu tamanho.

Visão geral da parte traseira do tablet. Nada contra, mas não gosto muito da cor branca em produtos de tecnologia. As chances de sujar e encardir são enormes.

Câmera traseira do Galaxy Tab 2, com 3 megapixels de resolução. Uma câmera bem básica, que também entra no esquema “é mais para dizer que tem uma câmera”. Não espere grandes resultados das fotos registradas. Por outro lado, eu sou um daqueles que acreditam que um tablet não precisa ter câmera traseira. Logo, não chega a ser nenhum pecado a câmera desse modelo.

Na parte inferior traseira, apenas os dados da Anatel. Sem maiores detalhes.

No kit de venda do produto, encontramos o carregador de parede, que é uma espécie de “adaptador” para o cabo USB…

… que já vem devidamente adaptado para o padrão de tomadas brasileiro.

Como disse antes, o cabo USB é proprietário. Aqui, a Samsung poderia adotar um cabo mini USB, para facilitar a vida do usuário em caso de perda desse cabo. Afinal, perdê-lo pode representar uma dor de cabeça desnecessária depois (para encontrar outro cabo desses no mercado).

Apenas para comparar o seu tamanho com o Motorola RAZR MAXX (que não é um smartphone pequeno), temos algumas fotos que mostram a sua diferença de tamanho e espessura.

E agora, um comparativo envolvendo o RAZR MAXX e o iPhone 4.

Ok, ligando o Galaxy Tab 2 WiFi.

Um dos pontos positivos do Galaxy Tab 2 é a sua tela, que possui uma ótima exibição dos elementos gráficos. Mas falo disso daqui a pouco. Aqui, a clássica tela “slide to unlock”, que tanta briga provocou recentemente.

Tela principal da eficiente interface utilizada pela Samsung para o tablet, permitindo uma boa distribuição de widgets e atalhos na tela do usuário.

Mesmo visto a uma certa distância, a sua tela possui uma emissão de brilho muito boa, e uma resolução que torna as imagens bem agradáveis na sua exibição. Todos esses recursos de exibição podem ser ajustados pelo usuário de forma simples.

Os widgets redimensionáveis também saem em vantagem com o Galaxy Tab 2, uma vez que você pode aproveitar a sua tela maior para estender esses widgets para um tamanho que melhor aproveite a tela.

Área de atalho rápido e notificações do Galaxy Tab 2. Aqui, podemos ver melhor a qualidade da sua tela, que realmente torna a reprodução de jogos e vídeos algo bem mais prazeroso.

A seguir, alguns destaques do Android 4.0 presente no Galaxy Tab 2.

Como disse antes, o sistema favorece uma organização mais prática e intuitiva dos ícones e widgets na tela. Dependendo do seu gosto, você pode adotar uma organização mais tradicional, ou algo que torne o seu acesso ao sistema mais prático. Por exemplo, uma tela só com aplicativos, outra, só com widgets, e algumas que combinem os dois sistemas.

Os aplicativos instalados ficam dispostos em um fácil acesso, permitindo que o usuário localize o seu aplicativo de forma rápida. Você também pode organizar os aplicativos instalados no tablet em ordem alfabética (esse recurso está presente em qualquer dispositivo com o Android Ice Cream Sandwich).

 

Os widgets disponíveis também são exibidos em forma de lista, e basta você escolher o elemento a ser adicionado na sua tela de usuário, que o mesmo é adicionado de forma simples em uma de suas telas principais.

A parte de calendários também é muito bem organizada, e em uma tela de 7 polegadas, o seu uso é eficiente e prazeroso.

Mas um dos principais destaques do Galaxy Tab 2 é a sua performance durante os jogos. Escolhi um dos meus preferidos, o Cut The Rope, para mostrar a qualidade final de exibição gráfica do tablet. O jogo consegue rodar com fluidez, sem travamentos. Não só esse, mas como a maioria dos jogos que executei durante os testes.

Nos vídeos, a regra é a mesma. O produto é muito eficiente na sua reprodução via streaming, e mesmo não contando com recursos nativos para a exibição de vídeos dos formatos mais populares, o Galaxy Tab 2 consegue ir bem na maioria das situações apresentadas.

A autonomia de bateria do Galaxy Tab 2 é boa, mas poderia ser melhor. Aqui, mais uma vez se confirma aquilo que muitos usuários já relatam em seus smartphones, que é o gerenciamento de autonomia de bateria ineficiente do Android Ice Cream Sandiwich, que tende a “drenar” a bateria em menos tempo do que o desejado. Poderia ser melhor, caso utilizasse outra versão.

Por fim, o teste de sua câmera. Como disse lá em cima, a câmera traseira do Galaxy Tab 2 tem uma câmera que é de qualidade mediana. Não espere muito dela, e tudo vai ficar bem. Abaixo, exemplos de fotos registradas com a câmera do tablet.

Por fim, o Samsung Galaxy Tab 2 está APROVADO. É claro que ainda tenho que compará-lo com o Galaxy Tab Plus de 7 polegadas (com sistema operacional Android 3.2 Honeycomb), que possui um processador de 1.2 GHz no lugar de 1 GHz do Tab 2, mas ele é um bom tablet intermediário, que está disponível no mercado brasileiro por um preço competitivo, e deve atender as necessidades da maioria dos usuários. É um produto que é pensado para a diversão do usuário. Se você quer um bom tablet para ler livros, ver vídeos e rodar alguns joguinhos, é uma excelente opção.

Para ver o review em vídeo do Galaxy Tab 7, clique aqui.

Preço (versão WiFi, com 16 GB de armazenamento): R$ 699,00