Recebemos para testes um periférico com proposta muito interessante. O Samsung Optical Smart Hub é o que podemos chamar de “periférico polivalente”, pois apesar de parecer ser apenas uma bonita unidade de CD/DVD externo para o seu netbook ou ultrabook (me encaixo no segundo caso), ele vai além disso. Ele é um dispositivo bem completo para os recursos de conectividade sem fio, tanto para reprodução de conteúdo, backup de arquivos e até repetição de sinal de internet sem fio de sua residência. Nesse review, vamos conhecer o produto em detalhes, mostrando todas as impressões possíveis obtidas após esse período de avaliação.

O tamanho da caixa anima… para quem gosta de caixas grandes, é claro. Mas não poderia ser diferente. Como o produto é relativamente grande (do tamanho dos antigos discmans), vem com uma série de acessórios (fonte, cabo USB, manuais e CD de instalação) e é relativamente sensível, precisa vir bem acondicionado mesmo. Mas, veja bem: sensível, nesse caso, não quer dizer que ele é frágil. Mas, entenda: é uma unidade ótica como outra qualquer. Logo, requer os seus cuidados.

Senti falta de um controle remoto para operar o produto na TV, principalmente para quem não tem uma TV da Samsung. Mas esse é um detalhe que pode ser minimizado com os controles virtuais para os dispositivos com iOS e Android. Facilitaria a vida dos usuários menos experientes a presença de um pequeno controle remoto. Mas, enfim, isso é o de menos.

Felizmente, a fonte do Samsung Optical Smart Hub é de encaixe, ou seja, se algum dia você fizer uma viagem internacional, e precisar aproveitar dos benefícios do produto, pode simplesmente comprar um adaptador de tomada extra, e os seus problemas estão resolvidos.

Ah, o “ótimo” padrão de tomadas brasileiro… mas sem o famigerado pino terra.

O produto possui um design bonito e elegante, mas como vocês já podem imaginar, esse acabamento em black piano é um verdadeiro imã para marcas de dedo. Aqui, vai a dica: deixe junto com os itens do produto na hora do seu transporte uma pequena flanela. Você vai precisar.

Mas, por outro lado, o Samsung Optical Smart Hub é leve o suficiente para ser transportado junto com o notebook sem aumentar muito o peso final da sua mochila ou pasta. Mesmo porque, se sua intensão é utilizá-lo com o computador portátil enquanto estiver viajando para ver vídeos e gravar arquivos em disco, nem da fonte você vai precisar. Agora, se a necessidade for utilizar o periférico para atuar com as funções de streaming e conexões sem fio, leve a fonte com você, pois ela é necessária para que tais recursos fiquem ativos.

De modo geral, se você tiver um ultrabook Serie 5 da Samsung, ou um outro ultrabook de qualquer outra marca, ele deve fazer um conjunto bem interessante na sua mesa de trabalho. E digo isso não só por causa da parte estética, mas também por causa do desempenho do produto.

Aqui está um dos trunfos do Optical Smart Hub. Os quatro LEDs de atividade, que indicam (na ordem, da esquerda para a direita): conexão ADSL, conexão WiFi, periférico USB e LED de power. Nos testes, quando conectamos o cabo de internet (para ativar a função de repetidor de sinal de internet), o WiFi começou a trabalhar automaticamente, mas para concluir a sua configuração, você precisa fazê-lo em seu computador, tal como em qualquer roteador existente no mercado. E acreditem, tal configuração não é nada simples.

Não bastando todo o guia rápido do produto estar em inglês, são necessários pelo menos três etapas de configuração do WiFi e da internet no produto. Para usuários experientes, isso não é problema, pois apesar do trabalho de ter que colocar todas as especificações de rede e do próprio produto (uma por uma), isso é feito uma vez só e o problema se resolve. Porém, para usuários iniciantes, só com a ajuda do usuário experiente. Ou do sobrinho, que “mexe no computador de casa” (mas aí o estrago vai ser maior). Recomendo que, ao comprar o produto, se realmente quiser que todos esses recursos funcionem de forma plena, dê uma boa lida no guia rápido, e que anote previamente todos os dados que o software de configuração vai solicitar. Se você for no passo a passo, com calma, não vai ter erros.

Parte frontal do Optical Smart Hub, que conta com o botão de ejeção da gaveta para inserção de mídia, e do tradicional buraco para forçar a ejeção da gaveta, caso ela fique emperrada. Foi uma boa escolha a alternativa de usar o sistema de gaveta, pois economiza espaço final do mesmo, deixando o periférico mais compacto e prático no manuseio.

Gaveta de mídia ejetada. Sem muitos comentários nesse ponto do review…

Por fim, a visão geral da parte traseira do produto: conector USB, botão de reset para configurações, porta mini USB, porta para conexão Ethernet e conector de energia.

Bom, agora vem a pergunta capital: o que esse produto pode fazer por você?

A resposta, a seguir.

Por uma questão de comodidade, utilizei o iPhone 4 para os testes mais objetivos com o Samsung Optical Smart Hub. De fato, como o principal objetivo dele é fazer o streaming de conteúdo para outros dispositivos, entendi que fazer a transmissão de arquivos de vídeo para uma TV da Samsung seria moleza, graças ao DLNA (e acreditem, foi muito mais fácil do que vocês possam imaginar: instalou, colocou o DVD, a TV já saiu identificando o periférico; aí, é só identificar o tipo de mídia e dar o play). Também poderia usar ou o Galaxy S II, ou o Galaxy Nexus para fazer os testes, mas o fator “compatibilidade” também prevaleceria. Por isso, o iPhone foi a escolha natural.

Mas se você pensa que houve dificuldades ao utilizar o produto da Samsung em um dispositivo Apple, mude seus conceitos. Basta você instalar o software Mobile Smart Hub (disponível na App Store e na Google Play), que a interação com o Samsung Optical Smart Hub se torna bem simples. O aplicativo reconhece automaticamente qual dispositivo está ativo, e faz a conexão de modo sem fio, através da rede WiFi. Assim como outros produtos do gênero, a qualidade final do streaming vai depender de alguns fatores, como a fonte do arquivo utilizado, resolução do arquivo e a quantidade de obstáculos que vai interferir nesse sinal. Mas os resultados são satisfatórios na maioria das fontes testadas.

São quatro funções principais no aplicativo do Mobile Smart Hub (DVD Player, Video Player, Music Player e Audio CD Player), além dos recursos de Photo Backup, Smart Backup e File Manager. Ou seja, as principais funções do dispositivo podem ser controladas pelo seu smartphone ou tablet, na comodidade da sala de sua casa ou escritório. Todos os itens do menu são facilmente acessados com um simples clique, e com poucos passos, você pode dar o player no arquivo de vídeo armazenado no seu HD ou no DVD inserido na unidade.

O player de DVD tem as funções básicas para uma boa reprodução. A imagem fica ajustada à resolução do formato da tela do dispositivo a ser reproduzido, e como vocês podem observar, o filme não é dividido em capítulos, com sua reprodução de modo contínua, durante a exibição do filme. Você pode escolher os capítulos em separado, de forma individual, mas não saltar para um capítulo em específico durante a reprodução do filme. Mas aí também é pedir demais do aplicativo, que foi feito para realizar a reprodução básica.

Não encontrei nas configurações de reprodução de vídeos alguma função que alterasse a cor e o tamanho da fonte da legenda. Não que esse padrão não seja visível, mas aqueles que já estão acostumados com as legendas com preenchimento amarelo e bordas em preto certamente vão reclamar. Afinal de contas, liberdade de opção vem sempre a calhar. Mas, de novo, estamos falando de um aplicativo para dispositivo móvel e não de um software para computador ou media center. Logo, vamos dar um desconto nessa parte.

Um ponto positivo do aplicativo é que, tal como em um player de DVD convencional, você pode escolher o idioma de legendas e áudio do filme, tal como você faria no home cinema da sua casa, ou no computador. Nesse quesito, ponto para o Mobile Smart Hub.

Por ele contar com um gerenciador de arquivos, você pode manusear todo o conteúdo multimídia que está em seu dispositivo, na unidade de mídia (CD/DVD) ou na unidade USB (pendrive/HD). É uma mão na roda na hora de buscar um determinado vídeo, foto ou música. Porém, a reprodução desses arquivos é mais prática e imediata se for feita através dos seus respectivos itens dentro do aplicativo.

Porém, o grande pecado do Samsung Optical Smart Hub é ele contar com uma porta USB 2.0. O ideal aqui seria uma porta USB 3.0, que sem dúvida facilitaria e muito o processo de leitura dos arquivos em um HD. Se você tem um grande volume de dados, e sua conexão WiFi não for das melhores, o sofrimento pode ser grande, e a reprodução se tornar uma experiência nada prazerosa.

Nos nossos testes, a reprodução de arquivos em alta definição só foi possível quando estive no mesmo local que o dispositivo, o que não é perto do ideal. Quando armazenados em pendrives, pela própria característica de maior velocidade de leitura de arquivos, a reprodução obteve resultados mais satisfatórios. Mas o formato mais eficiente mesmo foi quando utilizamos a unidade de mídia (CD/DVD) para reprodução de filmes e músicas em MP3. Pelo produto estar preparado para isso, o streaming foi bastante satisfatório na maioria dos testes realizados, e em qualquer ambiente.

Por fim, o Samsung Optical Smart Hub está APROVADO. Pela sua proposta de portabilidade, ele pode ser um bom companheiro de suas viagens, aumentando sua produtividade e, de quebra, o seu entretenimento. Também pode ser um interessante complemento para aqueles que possuem uma TV da Samsung com conectividade DLNA, facilitando assim a reprodução de diferentes formatos de mídia, de diferentes fontes.

Alguns detalhes do produto poderiam ser melhorados em versões futuras, principalmente no caso da porta USB, que precisa ser 3.0 na próxima versão do dispositivo. Afinal de contas, o que o usuário mais deseja nesse tipo de dispositivo é agilidade na hora de reproduzir os seus conteúdos armazenados em HDs e pendrives.