Mais um reivew para o blog TargetHD, de mais um produto que está em evidência no mercado. O Motorola Xoom é a alternativa da Motorola para a acirrada competição atual do mercado de tablets. Nesse post, vamos conhecer os principais recursos do produto, que se mostra poderoso no hardware, e versátil no seu software.

O tablet é mais leve do que parece. Ele é um pouco mais pesado que um iPad (apesar da fabricante propor que ele tem o mesmo peso que o produto da Apple), mas não traz transtornos para ser transportado com você. O seu acabamento mais sóbrio sugere que ele pode ser um tablet muito bem aceito em ambientes corporativos.

No kit do produto, temos o cabo mini USB, para conexão de dados…

…a fonte para rede elétrica, para tomadas no novo padrão brasileiro…

…e o folheto, com as instruções mais básicas para manejar o produto.

Na parte superior, temos a câmera frontal, e o sensor de luminosidade.

Na parte inferior, mais um pequeno sensor.

Visão geral da lateral do tablet. Aqui, podemos ver que é um produto de baixa espessura, mas um pouco mais espesso que alguns de seus concorrentes. Essa espessura maior faz diferença durante o uso, mas veremos isso mais adiante.

Aqui, um comparativo de tamanho com o Motorola Atrix.

Aqui, podemos ver de forma clara como o tablet é um pouco mais espesso que o Atrix.

Em uma das laterais, temos os botões de controle de volume do tablet.

Visão geral da lateral inferior do tablet.

Aqui podemos ver os dois conectores de mini USB e mini HDMI, o que pode indicar que o Xoom pode, no futuro, se conectar em um dock multimídia ou de sincronização de dados, tal como o Motorola Atrix faz hoje.

Na outra lateral, não temos nada. Fica livre para o usuário segurar o tablet.

Na parte superior, temos o conector para fones de ouvido, e o slot para cartões de memória e chip SIM.

Visão geral da parte traseira do Motorola Xoom.

Na parte superior traseira, temos os alto-falantes do tablet, que contam com um revestimento de material emborrachado na parte externa.

Na lateral traseira esquerda do tablet, temos o botão de liga/desliga, além da câmera de 5 megapixels, com flash LED duplo, com outro pequeno alto-falante integrado.

Hora de ligar o tablet.

Ele leva de 25-30 segundos para inicializar. Esperava-se uma inicialização mais rápida, mas é um tempo tolerável. É bem menos demorado que a inicialização de um sistema operacional em um computador normal.

A tela de bloqueio do tablet, com o sistema de cadeado para acesso à tela principal.

Você precisa arrastar o círculo central no cadeado para acessar a tela principal do tablet. Você pode acompanhar o círculo do cadeado, ou simplesmente arrastando o círculo para a direita, em direção ao cadeado.

O tablet conta com cinco telas para widgets e atalhos de aplicativos. Para inserir atalhos, ele segue o mesmo padrão dos dispositivos Android: você deixa o dedo pressionado na tela, é aberto um menu, onde você escolhe o tipo de recurso que você quer colocar no painel. Mas com uma diferença.

No caso do Motorola Xoom (que conta com o sistema operacional Android 3.0 Honeycomb), ele exibe essa tela, que é mais detalhada, mostrando os tipos de widgets que estão disponíveis para inserção, além de atalhos para aplicativos, e-mails e recursos multimídia. Basta você arrastar os elementos escolhidos nos quadrados das respectivas telas e pronto.

Alguns dos widgets que podem ser adicionados nas telas do Motorola Xoom.

Outro ponto de destaque está nos planos de fundo da área de trabalho. Todos animados e bem integrados ao ambiente do sistema.

Agora, vamos explorar alguns recursos que estavam disponíveis no modelo do Xoom disponível para testes.

O Google Maps abre com uma velocidade excelente, identificando rapidamente a sua localização (p.s.: essa foto não mostra a minha localização, hehehe…).

Sua navegação com a internet é bem prazerosa, com suas páginas abrindo com uma velocidade excelente, e com pouquíssimos problemas de compatibilidade e travamentos com conteúdos multimídia. Vale lembrar que o seu navegador é mobile, logo, algumas páginas não adaptadas vão ser exibidas no formato próprio para dispositivos móveis. Em compensação, aquelas páginas que contam com uma versão dedicada para tablets são exibidas perfeitamente no produto.

Um dos destaques positivos do Motorola Xoom é o aplicativo para YouTube.

O aplicativo para YouTube mostra diversos atalhos dos vídeos mais vistos naquele momento, facilitando a vida daqueles que querem acompanhar o que está em maior rotação no site. O mesmo modo de visualização serve para as buscas de vídeos no YouTube.

Aqui vemos o teclado virtual do Xoom. Um dos problemas do tablet é que ele não é muito confortável para a digitação no modo horizontal, quando você está segurando o produto. Para esse modo de orientação, é melhor deixar o tablet em um suporte, ficando com as mãos livres. Caso você necessite segurá-lo com as duas mãos para digitar com os polegares, é melhor você utilizar a orientação vertical.

Nos testes, percebi que a pouca espessura a mais que o Xoom possui em relação aos outros faz uma diferença na hora de segurar o produto, principalmente para a digitação.

A exibição de vídeos, tanto no YouTube, como em arquivos armazenados na memória (principalmente em formato AVI) é tranquila, sem travamentos, e com uma qualidade de imagem muito boa.

Por fim, o tablet Motorola Xoom está APROVADO. É uma ótima opção de tablet Android, com um desempenho que me surpreendeu. Apesar de ser um produto mais caro que os seus concorrentes, ele pode ser uma opção perfeita para quem está disposto a abraçar o sistema do Google como sua opção principal de uso multimídia com mobilidade.

Em breve, publicaremos a versão em vídeo desse review, para que os leitores possam ter uma ideia melhor do seu funcionamento e de seus recursos e características.