ASUS Zenfone 3 Max

 

A autonomia de bateria ainda é o grande calcanhar de Aquiles da grande maioria dos smartphones disponíveis do mercado. As telas estão maiores e com maior resolução, processadores mais potentes e aplicativos mais exigentes. Mesmo com o Android tentando otimizar o consumo de recursos a cada nova versão, fato é que o sistema operacional da Google (e alguns dos seus aplicativos mais populares) seguem consumindo mais bateria do que o desejado.

Aqui, o ASUS Zenfone 3 Max promete ser a solução dos problemas daqueles que precisam de um smartphone que funcione por um dia inteiro. Não apenas pelo fato de contar com uma generosa bateria de 4.100 mAh, mas também pela otimização feita pela empresa com a sua interface Android otimizada.

A assessoria de imprensa da ASUS enviou para testes a versão com tela de 5.5 polegadas do Zenfone 3 Max, e durante duas semanas eu testei o produto. Nesse review, passo as minhas impressões do mesmo, relato como foi a experiência de uso em diferentes aspectos analisados, e procuro responder a principal questão dessa análise: basta uma bateria com generosa capacidade para garantir um dia inteiro de uso, combinado com um bom desempenho?

 

 

Características Físicas

 

 

O ASUS Zenfone 3 Max conserva muitas semelhanças com os novos modelos da série Zenfone 3 apresentada no Brasil em outubro de 2016.

Na parte frontal, ele é idêntico ao Zenfone 3, inclusive nas teclas de comando Android capacitivas, impressas na parte inferior da tela.

 

Em uma lateral, temos os botões de controle de volume e liga/desliga, com um acabamento que imita a estética metálica que combina com o cinza do corpo do dispositivo. Na parte superior, o conector para fones de ouvido, e na inferior o conector para o cabo microUSB (e não USB Type-C, o que é uma pena) e o alto-falante integrado. Na outra lateral, o slot para SIM cards e microSD.

 

Na pare traseira, o sensor de câmera, o flash LED e o sensor de foco por infravermelho, alem do leitor de digitais.

 

 

É um dispositivo com um agarre agradável, e um acabamento bem feito, com um acabamento em cinza metálico que oferece a elegância e sobriedade que muitos usuários procuram. Apesar de ter alguns parafusos visíveis, posso dizer que o acabamento e a construção do dispositivo é boa, passando a sensação de solidez e qualidade desejadas em um produto desse porte.

 

 

 

Acessórios

 

Um smartphone com uma bateria de elevada capacidade, e que pode atuar de forma mais versátil que as demais traz algumas peculiaridades nos seus acessórios.

 

 

Além dos itens tradicionais – cabo USB, carregador com modo de recarga rápida, fone de ouvido padrão da ASUS e manuais -, o ASUS Zenfone 3 Max conta com um adaptador microUSB – USB, para permitir a recarga de outros dispositivos com a bateria armazenada no smartphone.

É esse item que torna possível que esse smartphone atue como uma power bank para aqueles que tem um outro smartphone, tablet ou dispositivo móvel, que precisa ser recarregado em casos de necessidade.

 

 

Tela

 

O ASUS Zenfone 3 Max enviado para testes possui uma tela IPS de 5.5 polegadas (1280 x 720 pixels), com 75% de área útil frontal e 400 nits de brilho. É uma tela com proteção 2.5D, seguindo a tendência dos últimos dispositivos lançados no mercado.

 

 

A ASUS já vinha entregando telas muito competentes nos seus smartphones. O ASUS Zenfone 3 é muito bom nesse aspecto, e com o Zenfone 3 Max não é diferente.

Sua tela entrega cores vivas, um ótimo nível de brilho e contraste, reproduzindo bem as cores da interface e de outros elementos gráficos e visuais. É uma tela boa o suficiente para garantir uma agradável experiência de uso na maior parte do tempo, e bem condizente para a faixa de preço sugerida para o modelo.

 

 

A tela apresenta uma ótima sensibilidade ao toque, o que garante uma agradável experiência de uso com o sistema operacional. A precisão e a fluidez nesse sentido estão dentro do esperado.

 

 

Hardware

 

Estamos diante de um smartphone de linha média, com configurações pensadas na oferta de um bom desempenho, visando sempre a melhor relação custo-benefício possível.

Dito isso, o ASUS Zenfone 3 Max conta com um processador MediaTek quad-core de 1.3 MHz, GPU Mali T720, 32 GB de armazenamento interno (expansíveis via microSD de até 32 GB) e 3 GB de RAM.

É um conjunto técnico equilibrado o suficiente para oferecer uma boa experiência de uso, com fluidez e sem engasgos na maior parte do tempo. Aqui, apesar do ideal agora para um desempenho impecável seria contar com um processador octa-core, entendo que as otimizações aplicadas pela ASUS no seu software ajudam e muito a oferecer um bom desempenho geral, mesmo com um conjunto técnico teoricamente mais modesto.

O conjunto de hardware desse smartphone atende bem a maioria dos usuários, e está dentro do esperado para a sua faixa de preço. Colocando em perspectiva, o modelo fica em pé de igualdade com boa parte dos seus competidores.

 

 

Software

 

O ASUS Zenfone 3 Max conta com o sistema operacional Android 6.0.1 Marshmallow, com a interface customizada da ASUS, a Zen UI na sua mais recente versão.

 

 

Aqui, temos basicamente a mesma interface de usuário que conhecemos no Zenfone 3, com algumas poucas modificações por conta dos recursos a menos que o dispositivo naturalmente possui.

Independente das preferências individuais sobre o uso de uma interface Android pura ou customizada, fato é que mais uma vez a ASUS fez um bom trabalho na personalização do sistema.

 

 

Os principais recursos adicionais da ASUS estão presentes, como o ASUS Mobile Manager, o Medidor Laser, o Share Link,  e o Zen Circle, além de todas as otimizações de bateria e gerenciamento de recursos de sistema.

 

 

Câmera

 

O Zenfone 3 Max conta com uma câmera traseira de 13 MP (f/2.2), com flash LED traseiro, sensor infravermelho para foco e flash LED. O sensor frontal possui 5 MP.

Não é o mesmo conjunto de sensores fotográficos presente nos modelos mais completos da ASUS, mas também não ficam muito atrás daquilo que a concorrência de preço oferece.

 

 

O sensor traseiro entrega fotos de boa qualidade, apesar de não entregar cores tão fiéis à realidade. Tudo fica com tons um pouco mais escuros do que realmente é no modo automático. A boa notícia é que vários dos modos de câmera dos modelos mais completos estão presentes no Zenfone 3 Max, o que pode resultar em fotos com um pouco mais de qualidade, dependendo da habilidade do fotógrafo.

 

 

As fotos com luz natural entregam imagens boas o suficiente para publicação nas redes sociais e compartilhamento nos serviços de mensagens instantâneas. Já as fotos com luz artificial e/ou com auxílio do flash apresentam uma boa quantidade de ruído. Mas insisto: tudo dentro de um limite do aceitável, e de acordo com o que os concorrentes diretos de preço normalmente entregam.

 

 

A câmera frontal de 5 MP entrega selfies também aceitáveis, ou que pelo menos não te descaracterize com a aplicação dos efeitos de software.

 

 

Bateria

 

A ASUS coloca todo o foco de promoção do ASUS Zenfone 3 Max para o grande público na bateria do dispositivo.

Com 4.100 mAh, ele prova que o Motorola Moto Maxx não precisava ser tão espesso para ter uma bateria com elevada capacidade. Além disso, cumpre o que promete, ou seja, entrega uma autonomia elevada, para longas jornadas de trabalho.

 

 

E possível usar o Zenfone 3 Max de modo intenso por pelo menos um dia e meio ou até dois dias de uso, dependendo do perfil de uso e do consumo de tempo de tela. É preciso fazer muita força para drenar a bateria desse smartphone.

Para os usuários mais moderados, é possível alcançar até três dias de uso. Em standby, o aplicativo que exibe o controle de bateria chegou a indicar um tempo restante de até 36 dias de uso disponível, sem falar nas 87 horas de áudio, algo que para mim é fundamental, já que adoro ouvir música e podcasts durante as viagens longas.

Isso não só é possível por conta da bateria com elevada capacidade, mas também pelo software otimizado da ASUS.

 

 

Temos vários recursos de software para um melhor gerenciamento do consumo de bateria, onde é possível desativar aplicativos em segundo plano, remover apps da inicialização e acionamento dos modos de economia de bateria em momentos pontuais. E tudo isso, sem comprometer o desempenho do dispositivo.

O recurso que transforma o smartphone em power bank (com o cabo adaptador incluso no kit de venda) funciona, mas confesso que não gostaria de desperdiçar essa autonomia toda com outro dispositivo. Quero dizer, pode sim salvar sua vida na hora do aperto. Mas é sempre melhor manter o seu smartphone com bateria plena para suas jornadas diárias.

De novo, o trabalho da ASUS nesse aspecto é digno de aplausos.

 

 

Desempenho

 

Apesar de contar com um processador quad-core, o Zenfone 3 Max vai bem na maior parte das atividades propostas.

Durante as duas semanas de uso, não percebi arrastos ou travamentos, com uma performance dentro do esperado para as atividades de uso geral com o sistema operacional, execução de vídeos, música e jogos intermediários.

Sua quantidade de armazenamento de 32 GB é mais que suficiente para a maioria dos usuários, e atende ao que o segmento pede, sem falar na expansão de armazenamento via microSD.

Logo, entendo que o comprador desse produto não terá problemas ou aborrecimentos nesse aspecto.

 

Vale a pena?

 

 

Vale a pena sim.

O ASUS Zenfone 3 Max tem como grande destaque sua autonomia de bateria matadora, mas não perde em muito nos outros aspectos. É claro que e um dispositivo que tem seus ônus e bônus, mas o conjunto geral é bem equilibrado, e é isso o que importa.

É recomendado para quem precisa de um smartphone com bateria acima da média para suas jornadas diárias, que não liga muito para fotos de qualidade mediana, e para quem quer ter um dispositivo que não comprometa no desempenho geral.

O preço sugerido de R$ 1.199 é bem honesto, se levarmos em conta que os seus concorrentes nessa faixa de preço entregam mais ou menos a mesma coisa e, em alguns casos, com tela menor e, em todos os casos, bateria com capacidade bem inferior.

Muitos que buscam um smartphone de linha média podem levar em consideração essa opção.