tecnologia

 

2016 foi um ano muito interessante, pois tivemos um pouco de tudo e para todos os gostos. Os smartphones, apesar de deixarem aquela sensação de “nada de novo”, ficam cada vez melhores, mesmo com as grandes marcas cometendo grandes erros.

Nos tablets, pouco ou nada significativo aconteceu, com as marcas se limitando a lançar uma atualização dos modelos anuais, com os usuários mantendo seus dispositivos durante muitos anos.

As TVs e os set-top box Android são, talvez, os que registram maior evolução, mas para isso o Google Assistant precisa alcançar um outro nível.

 

Por fim, o resumo de 2016, em ordem alfabética.

 

 

Acer

 

Fez uma renovação dos seus smartphones, sem grandes destaques. Mesmo assim, mostra o desejo de estar presente em diversos segmentos, com uma linha de produtos abrangente e para todos os patamares de preços.

 

 

Alcatel

 

Apostou forte no idol 4, com dois modelos (idol 4 e idol 4S). O tempo mostrou que a aposta no Snapdragon 652 no idol 4S para alimentar a tela QHD foi uma escolha excelente, onde o único pecado foi o excessivo aquecimento do modelo. A ausência de um bom leitor de digitais pesou negativamente na avaliação do modelo.

 

Apple

 

Embora o iPhone 7 tenha conseguido conquistar o mercado, também começamos a notar o cansaços dos fãs e os efeitos de preços elevados dos seus smartphones. De qualquer forma, a Apple ainda absorve cerca de 90% dos lucros de setor, às custas dos 10% de mercado que detém hoje. Em 2017, o iPhone completa 10 anos de vida, e todos esperam que o modelo desse ano será algo minimamente diferente dos modelos dos últimos dois anos.

 

 

Asus

 

O ZenFone 3 é a imagem da ambição da marca taiwanesa. A empresa quis capitalizar em cima do sucesso do ZenFone 2 e suas múltiplas variantes. Trocou os processadores Intel pelos chips Qualcomm Snapdragon e pelos MediaTek nos modelos de entrada.

O aumento de preço no ZenFone 3 não foi uma boa notícia para o consumidor, ainda mais pelo fato do modelo contar com o Snapdragon 625 no lugar do Snapdragon 652.

O ZenFone 3 Deluxe bate os tops de linha de outras marcas, recebendo um corpo de metal e um chip Snapdragon 820, mas mantendo uma tela Full HD. Uma aposta de risco, que só saberemos se conseguiu se pagar em 2017.

 

 

Google

 

Os novos Google Pixel marcam uma mudança na política da empresa, com smartphones que não exibem o logotipo do fabricante. Este foi um dos motivos que levaram a Huawei a abdicar a fabricação desse smartphone.

É uma política inspirada na Apple, tendo a Google optado por reservar algumas das funcionalidades para o Pixel, o que não caiu bem junto aos utilizadores dos demais modelos, principalmente com os donos dos modelos Nexus.

 

 

Huawei

 

O Huawei P9 atingiu a marca de 10 milhões de unidades enviadas. A parceria com a Leica nesse modelo com câmera dupla foi muito destacada. O Nova e o Nova Plus fecharam o ano da marca em alta.

O Nova surpreendeu em todos os níveis, pecando apenas na escolha do processador Snapdragon 625, especialmente por causa do seu preço de venda.

O Mate 9 foi a estrela do ano, com uma parceria com a Porsche, com tela QHD e preço de colecionadores. O modelo para o grande público possui tela Full HD de 5.9 polegadas, processador Kirin 960 e uma nova interface EMUI.

Os modelos Honor também merecem atenção do consumidor, com uma relação custo-benefício muito interessante.

 

 

Lenovo

 

A quarta geração dos modelos Moto G e o Moto Z foram o destaque, além dos modelos da linha Vibe. O Yoga Book foi a grande surpresa do ano, sendo um tablet com teclado inovador que pode colocar a produtividade em outro nível com a chegada do Android Nougat.

 

 

LG

 

O LG G5 era interessante, com um novo sistema modular, mas que não convenceu o consumidor. O LG V20 apareceu para tentar salvar o ano da empresa, mas está disponível em mercados selecionados.

 

 

OnePlus

 

A empresa soube dar a volta por cima com um OnePlus 3, mais próximo do que os usuários esperavam O suporte ao cliente e as atualizações receberam maior atenção, e a chegada do OnePlus 3T foi uma forma de terminar o ano bem, sendo este um dos smartphones mais interessantes do ano.

 

 

TP-Link

 

Apresentou os seus primeiros smartphones. Os Neffos são uma boa estreia, mas com margem de manobra. Veremos o que a marca prepara para 2017, já recebendo o feedback dos seus clientes.

 

 

Samsung

 

Um ano agridoce para os sul-coreanos. Se por um lado os novos Galaxy S7 e Galaxy S7 Edge foram muito elogiados, a morte prematura do Galaxy Note 7 manchou o que seria um ano perfeito.

O Galaxy S7 oferecia uma ergonomia melhorada e uma TouchWiz cada vez mais simples e menos intrusiva, o que resultou no sucesso desse modelo.

É de se lamentar o caso do Galaxy Note 7, que muito prometeu, mas que acabou saindo pela porta dos fundos. Ainda aguardamos explicações formais sobre o que teria levado à explosão das baterias.

 

 

Sony

 

Na MWC, apresentou a nova série Xperia X, muito interessante, mas não conseguiu atingir os níveis de popularidade que a marca esperava. O Xperia XZ é um sopro de ar fresco, fugindo às linhas da concorrência. Possui um hardware que entrega bom desempenho, e uma câmera bem avaliada pela crítica.

 

 

Xiaomi

 

A marca aparece como outsider. Não está em escala global, mas muitas pessoas conseguiram adquirir seus produtos pela internet.

A Xiaomi tem propostas interessantes em todas as linhas, com preços tentadores e um sistema de atualizações que fazem seus concorrentes ficarem envergonhados.

 

 

Esperamos que 2017 seja mais um grande ano para a tecnologia, e vamos cobrir as novidades de forma intensa, todos os dias, e compartilhando tudo o que acontece no mercado brasileiro e internacional.

 

Feliz 2017 para todos!