ReFlex-01

Os pesquisadores do Human Media Lab da Universidade de Queens quer ir além no método de interação com aplicativos de smartphones. Para eles, as telas flexíveis dão deveriam se limitar a ajudar o usuário a economizar espaço, mas também permitir usar sua flexibilidade para interagir com o dispositivos.

E é isso o que o seu protótipo ReFlex faz. Este pode ser o primeiro smartphone com tela touch e flexível que permite realizar certas funções com a forma de dobrar um telefone, como passar as páginas de um livro digital. O telefone conta com uma tela flexível OLED da LG de 720p e o sistema operacional Android 4.4. Na parte traseira, tem um sensor de flexão e um motor de retroalimentação háptica, o que pode representar uma forma completamente nova de interação física com os smartphones.

ReFlex-02

O conceito também conta com uma bobina de voz que permite que o smartphone simule as forças de fricção que aplicamos através de vibrações realistas na tela. Todos os componentes fazem com que o dispositivo simule as forças físicas que interagimos nos aplicativos em uso.

Um claro exemplo disso é no livro digital. Quando dobramos o smartphone para a direita, as páginas se deslocam da direita para a esquerda, como se fosse um livro normal. Aliás, quando mais acentuada for a curva, maior a velocidade de mudança de páginas de forma que teremos um controle total da sensação nas mãos através de som e vibração.

A tecnologia também foi utilizada no jogo Angry Birds, onde a curvatura da tela vai determinar a força que o pássaro será lançado. Além dessas funções, o protótipo também pode ser utilizado como um smartphone normal, apesar de sua versão defasada do Android.

Os smartphones flexíveis estão mais e mais presentes, mas é possível que sua flexibilidade esteja inicialmente destinada a economizar espaço. Logo, é interessante ver as possíveis aplicações que este protótipo oferece para o futuro imediato da tecnologia.

Quando veremos tudo isso em um smartphone comercial? De acordo com os pesquisadores, de quatro a cinco anos.

 

Via Human Media Lab