garmin-vivofit-smartphone

Os wearables quantificadores tem a missão de medir o que fazemos ao longo do dia. Tais dispositivos substituíram os aplicativos para smartphones, que muitos usavam a quase dez anos, e que foram muito úteis na hora de calcular o quanto nos movemos. Mas… qual dos dois é o melhor para medir nossos passos: o smartphone ou a pulseira quantificadora?

Um dos argumentos a favor das pulseiras inteligentes é que elas são mais precisas na hora de calcular os passos dados, além de serem mais adequadas na hora de analisar as calorias consumidas e o esforço realizado. Será?

A Perelman School of Medicine da Universidade da Pensilvânia estudou o assunto mais de perto, realizando vários testes com 14 voluntários, que deveriam percorrer entre 500 e 1.500 passos. Cada um deles tinha que levar consigo vários tipos de quantificadores, como pulseiras e podômetros, e dois smartphones com múltiplos aplicativos para contar os passos.

Os resultados indicaram que as diferenças entre os passos reais e os dados armazenados entre os smartphones variavam entre -6.7% e 6.2%, enquanto que as pulseiras indicavam variações entre -22.7% e -1.5%. Ou seja, os aplicativos para smartphones são tão precisos como os dispositivos wearables na hora de medir a atividade física.

Ou seja, o estudo conclui que a precisão não deve ser um fator determinante na hora de escolher qual dispositivo você deve utilizar para quantificar o nosso exercício físico. Fatores como comodidade e facilidade de uso devem ser mais valorizados e, nesse aspecto, as pulseiras levam vantagem.

Via Penn Medicine