instagram-logo-620

O Instagram tem apenas três anos de vida, e se tornou a referência para redes sociais voltadas para a fotografia. O aplicativo se consolidou de forma notável na sua versão para o iOS, porém, com o objetivo de abraçar um maior número de usuários, eles lançaram a versão do aplicativo para Android no ano passado. E hoje, os usuários do Instagram adeptos do sistema do Google já representam quase a metade dos 100 milhões de usuários ativos que o serviço possui.

Quando o aplicativo do Instagram para Android foi lançado, tivemos um mar de elogios e críticas. Muitos usuários do iOS simplesmente depreciavam o fato de receber em seu “clubinho exclusivo” aqueles usuários que contavam com câmeras de pior qualidade em seus smartphones (dando a entender que o Instagram era um aplicativo sagrado do iPhone). O principal argumento desse grupo era a perda de qualidade das fotos.

Do outro lado da questão, estavam os usuários do Android, felizes por finalmente poderem acessar a rede social de fotografia da moda. Particularmente, acho que o mundo tem que ser livre para que todo mundo possa postar as suas fotos de refeições no McDonald’s, ou aquelas fotos tiradas em frente ao espelho, se arrumando para a balada. O resultado é uma mix mais heterogêneo de temas de fotos, e é na diversidade que mora a verdadeira grandeza de qualquer coisa nesse mundo.

Vale lembrar que, nas primeiras 24 de vida, o aplicativo do Instagram para Android registrou mais de 1 milhão de downloads. Depois de uma semana, já eram 5 milhões de downloads. Apenas para comparar, o Instagram levou quatro meses para conseguir o seu primeiro milhão de usuários quando se lançou ao mundo no iOS. E no final de fevereiro de 2013, Mark Zuckerberg anunciou que o serviço havia superado a marca de 100 milhões de usuários ativos.

O Android ter dominado quase metade do mercado do Instagram em um ano é um dado surpreendente. Vendo por um outro escopo, é certo dizer que os usuários do Android levaram muito pouco tempo para se igualarem ao número de usuários do iOS. Ou seja, é uma questão de tempo para que os usuários do iPhone sejam minoria no aplicativo que por dois anos muitos deles se gabaram por ser “exclusivo” para eles.

 

Via SlashGear, Android Community