iPad Pro

Há muito tempo o iPad se transformou em uma ferramenta para o trabalho em mobilidade, e com o iOS 11 isso se tornará ainda mais evidente.

O caminho que a Apple aponta é para efetivamente tornar o iPad o substituto perfeito do computador tradicional em qualquer lugar, inclusive para o trabalho avançado.

Você pode se aventurar em instalar a beta do iOS 11, principalmente para quem quer usar o tablet para trabalhar. E desde já vislumbrar um futuro mais que promissor para todos que querem deixar o notebook em casa, em nome do baixo peso e da portabilidade oferecida pelo iPad.

Em linhas gerais, o iPad é o dispositivo computacional de entrada da Apple. O modelo mais barato é o iPad normal, que assume o papel do extinto iPad Air. Depois temos o iPad mini 4, último sobrevivente da linha menor desse segmento. E o iPad Pro oferece os modelos mais potentes, focado nos mais exigentes e profissionais.

Esse post apresenta um pequeno guia para recomendar o melhor iPad para as suas necessidades.

 

 

iPad

 

 

A alternativa mais óbvia e mais recomendada para a maioria dos usuários.

Foi atualizado recentemente, com seu preço reduzido. É o iPad para várias finalidades: é para quem busca um tablet com iOS, mas não quer pagar o preço de um iPad Pro. Ou para quem só quer consumir conteúdos sem desembolsar grandes quantias de dinheiro, mas sem apelar para o iPad mini.

O novo iPad possui tela Retina de 9.7 polegadas (2048 x 1536 pixels, 264 ppp), processador Apple A9 de 64 bits e co-processador M9, câmeras de 8 MP e 1.2 MP,WiFi 802.11 ac, Bluetooth 4.2, Touch iD, armazenamento de 32 GB e 128 GB em versões WiFi only e WiFi + 4G.

É o herdeiro direto do iPad Air, e a melhor opção dentro de sua faixa de preço. Pode realizar todo o trabalho sem precisar investir muito dinheiro. Mas com um porém: não é compatível com o Apple Pencil e com o case teclado da Apple.

 

 

iPad Pro

 

 

É o modelo mais completo.

Claramente focado para os profissionais e usuários avançados, é um salto quantitativo e qualitativo em relação ao iPad normal. É a aposta mais acertada para quem quer substituir o seu notebook tradicional por um tablet da Apple.

Disponível em versões com telas de 10.5 polegadas (2224 x 1668 pixels, 264 ppp) e 12.9 polegadas (2732 x 2048, 264 ppp), os dois modelos são idênticos nas demais especificações: processador A10X Fusion com arquitetura de 64 bits e co-processador M10 integrado, câmera de 12 MP com gravação de vídeos a 4K/30fps ou 1080p/30 ou 60fps, câmera frontal de 7 MP, versões com WiFi only e WiFi + 4G e opções de armazenamento de 64 GB, 256 GB e 512 GB.

 

 

iPad Mini 4

 

 

O modelo mais “esquecido” pela Apple.

Faz tempo que não é atualizado, e há quem diga que pode ser descontinuado. Só está disponível na versão com 128 GB, e conta com processador A8 64 bits e co-processador de movimento M8 para alimentar a tela de 7.9 polegadas (2048 x 1536 pixels, 326 ppp). Também disponível nas versões WiFi only e WiFi + 4G.

Hoje, o iPad mini 4 é a opção para quem quer uma tela menor do que os modelos anterormente citados, e recomendado apenas para quem quer consumir conteúdos no tablet em uma tela mais confortável e manejável que o modelo de 9.7 polegadas.

Mas, em linhas gerais, a melhor relação custo-benefício para um usuário que fica no meio do caminho entre o doméstico/estudante e o profissional é, nesse momento, o iPad Pro de 10.5 polegadas. Sua versatilidade é enorme, considerando todos os fatores envolvidos.