OS-X-Mountain-Lion

A WWDC 2013, evento da Apple para desenvolvedores de soluções para suas plataformas (iOS e OS X) já tem data para acontecer. Entre os dias 10 e 14 de junho, saberemos como a Apple está se preparando para o futuro. Muitas especulações sobre um novo (e reformulado) iOS e até mesmo um iWatch entra na lista dos rumores, mas pouca coisa é dita sobre o OS X, um sistema operacional que também mostra sinais claros de ter parado no tempo. Por isso, vamos revisar a atual situação do sistema operacional, e qual pode ser o seu futuro.

O OS X é um sistema operacional muito bom. Funciona bem, é quase imperceptível (uma vez que você tem tudo configurado ao seu gosto), e raramente ele trava, ou causa algum problema mais grave com os seus aplicativos. Além disso, ele conta com funcionalidades que para muitos usuários são consideradas vitais para uma melhor produtividade.

Porém, pela falta de novidades nas suas atualizações, muitos usuários do iOS ainda estão com versões antigas, como a Snow Leopard, que foi lançada em 2009. De lá para cá, não tivemos novidades realmente interessantes ou consideradas essenciais aos usuários no Lion ou no Mountain Lion.

Enquanto que o iOS, o Android, ou até mesmo o Windows incorporam novidades (mesmo que mínimas) em suas atualizações, a impressão que dá é que no OS X nada de novo acontece. E o pouco de novo que aparece não é algo que podemos chamar de “essenciais”, ou que justifique uma atualização. Itens como Mission Control, integração com as redes sociais, Mac App Store, LaunchPad ou as notificações (apenas para citar algumas) não são motivos para alguns usuários sequer se darem ao trabalho de atualizar o sistema. São adições, mas não indispensáveis na lista de funcionalidades gerais do sistema operacional.

Se você acha que o iOS precisa de reformulações, você vai concordar que o OS X também precisa de mudanças mais profundas. Na WWDC 2013, podemos esperar, no mínimo, uma nova versão do OS X, a 10.9, que não deve contar com mudanças radicais. Com sorte (ou não), vamos nos deparar com elementos já vistos no iOS, como o Siri ou um aplicativo do Mapas da Apple. E a pergunta é será que isso é suficiente para as pessoas atualizarem o sistema operacional?

E mesmo que as mudanças não sejam drásticas, que elas ao menos mudem um pouco a vida dos seus usuários. Por exemplo, um Finder mais moderno e funcional, uma atualização na interface de usuário e aparência visual do sistema, modernizar (ou eliminar) a Dashboard, modernizar o dock com visualizações prévias de aplicativos, ou uma integração total com a nuvem e o iCloud. Essas são apenas algumas das funcionalidades que justificariam uma atualização dos sistema.

E fica o registro: mesmo com um elevado índice de rejeição que o Windows 8 possui, temos que reconhecer que a Microsoft ao menos se esforçou em apresentar alguma coisa diferente e inovadora. Diferente da Apple com o OS X, que dá a péssima sensação que é um produto abandonado pela empresa, centrando todos os esforços no iOS. Talvez isso até seja verdade. E, se for, será uma pena que o OS X tenha ficado tão descuidado nesse tempo todo.