O Windows 8 traz consigo uma grande renovação e um design completamente renovado, graças ao seu design, a Modern UI. Porém, nas duas versões disponíveis, Windows 8 e Windows RT, a interface que estamos acostumados a utilizar desde o Windows 95, algo que a Microsoft quer mudar. Mas, mesmo com o modo Desktop ainda presente, o Windows RT está surpreendentemente limitado em relação às suas funcionalidades, se comparado com o Windows 8. E nesse post, vamos mostrar onde essas diferenças são mais críticas.

Quais aplicativos podemos executar?

A Microsoft quer impulsionar o desenvolvimento e uso de aplicativos no Windows 8 como nunca foi feito antes, e para isso, eles apresentaram a loja de aplicativos Windows Store, que cresce em uma velocidade impressionante. Porém, esses aplicativos são feitos para funcionar na nova interface do sistema, deixando clara a intenção da Microsoft de querer desaparecer com a interface Desktop no futuro.

O Windows 8, desenvolvido para a arquitetura x86, pode executar qualquer tipo de aplicativo compatível com o Windows 7 nos dois modos (Modern UI ou Desktop), algo que não acontece com o Windows RT. A versão ARM do novo Windows só é compatível com os aplicativos da Windows Store, o que quer dizer que até mesmo o modo Desktop só vai rodar os aplicativos nativos da Microsoft, sem executar aplicativos de terceiros.

Resumindo: no Windows RT, só podemos utilizar o Microsoft Office, o Internet Explorer e o Windows Explorer, que são as únicos aplicativos pré-instalados na plataforma. Os demais devem ser adquiridos EXCLUSIVAMENTE na Windows Store, e só podem ser utilizados no modo Modern UI. Não é uma decisão controvérsia, até porque todos os tablets do mercado fazem a mesma coisa. Porém, se esperava uma maior liberdade nos tablets com Windows RT, uma vez que a Microsoft sempre o vendeu como um sistema operacional “completo”, e essa limitação desmente um pouco a afirmação. Logo, pense nisso antes de comprar um tablet ou computador com Windows RT.

Por que o modo Desktop é tão limitado?

Simples: porque ele vai desaparecer. Não existe outra explicação minimamente razoável.

A Microsoft vai eliminar o modo Desktop tradicional, que conhecemos desde 1995, para optar como padrão a nova e revolucionária interface moderna, que será a base de sua plataforma. O motivo disso está no pensamento futuro da experiência de uso nos computadores ou dispositivos com Windows. Levando em conta o boom das telas sensíveis nos produtos de informática, indo dos gadgets que levamos no bolso ou na mochila, até computadores desktops, a Microsoft necessitava de uma interface amigável para os seus sistemas operacionais, e que integrasse todos os produtos em uma única experiência de uso. O novo Windows é capaz de fazer isso muito bem.

Com certeza, o Windows 8 pode perpetuar essa experiência por muito mais tempo, mas no Windows RT, isso poderia ficar prejudicado pelas limitações da antiga interface.

A limitação do modo Desktop não existe apenas para os usuários. Os desenvolvedores também estão limitados. De fato, esse é o principal grupo ao qual está dirigida esse “bloqueio” do Desktop. E, nesse caso, o recado da Microsoft é bem claro: “Você pode desenvolver o que quiser, e seus aplicativos serão bem vindos… desde que sejam baseados na Modern UI”. Com essa estratégia, Steve Ballmer e sua turma planeja fazer com que nos esqueçamos do modo escritório, e utilizemos todos os aplicativos na nova interface.

Então… por que não eliminaram logo o modo Desktop?



O modo Desktop e a interface Modern UI são duas coisas muito diferentes, e uma mudança tão brusca, feita de uma vez só, não é algo que pode agradar a grande maioria dos usuários do Windows ao redor do planeta. Sem contar com aqueles que já não estão satisfeitos com a nova interface, e que ainda podem utilizar a interface antiga.

Particularmente, eu gosto muito da Modern UI, principalmente em uma tela sensível ao toque. Além disso, a Microsoft conseguiu lançar uma proposta que já é parecida com aquilo que eu vejo em meu Xbox, meu smartphone Windows Phone, e isso é uma grande vantagem para os usuários desses dispositivos. Mas “a mudança” como um todo é algo que não agrada a maioria das pessoas. Por isso, a Microsoft está sendo sutil nesse ponto, oferecendo as duas interfaces, por enquanto.

Mas não será uma surpresa se a antiga interface de usuário desaparecer completamente na próxima versão do Windows.

Além disso, existem outros motivos muito importantes, que estão relacionadas com o software mais importante da Microsoft: o Office. Este é o único aplicativo que exige a interface Desktop para poder funcionar. É algo curioso, se levarmos em conta a importância que esse software tem para a empresa de Redmond, e mesmo assim, ele não está completamente adaptado para a nova interface. O Office foi redesenhado, o Word, o Excel e o PowerPoint funcionam muito bem, mas o modo desktop não é tão amigável ao toque, o que deve resultar em problemas quando tentarmos utilizar os recursos de edição de um texto em um tablet.

Não só isso. A Modern UI conta com o seu novo “Painel de Controle”, que no modo desktop tradicional era algo muito mais completo, com mais opções. E isso é algo que a Microsoft deve solucionar antes de abandonar a antiga interface do Windows.

Conclusão

Como expliquei ao longo desse post, o modo Desktop está bem limitado no Windows RT, onde podemos fazer apenas quatro coisas nos tablets ao retirar o produto da caixa: utilizar o Internet Explorer, o Windows Explorer, o Office (de forma obrigatória) e utilizar o Painel de Controle completo.

Sendo assim, o modo Desktop é inútil no Windows RT, e não deveria existir nos tablets. Só ocupa espaço de instalação no produto, e é menos cômodo de ser utilizado que a Modern UI nesses dispositivos. Se a Microsoft tivesse trabalhado no Office para ser compatível com a Modern UI, nenhum tablet com Windows RT contaria com a antiga interface de usuário. Por que não fizeram isso logo? É a pergunta que fica.