Se os pesquisadores das Universidades de Duke e Arizona alcançarem o seu objetivo comum, a sua próxima câmera fotográfica poderá ser útil para espionar aquele ditador de algum país asiático do espaço. Eles conseguiram reunir mais de 50 estudantes e engenheiros para trabalhar arduamente no estranho dispositivo que você vê acima, que combina 98 câmeras em miniatura (com umas lentes especialmente calibradas) como se fosse uma só, para gerar uma imagem de 1 gigapixel, e que no futuro pode se somar a um número maior de câmeras para assim alcançar uma resolução máxima (teórica) de 50 gigapixels.

O importante dessa câmera não é o tamanho das imagens resultantes. Seus criadores esperam que dentro de cinco anos seus componentes tenham miniaturizado de tal forma, que a próxima geração de câmeras poderia ser comercializada nos produtos de tamanhos atuais, uma vez que o protótipo atual tem 50 cm de espessura, apesar que apenas 3% do conjunto está formado pelos elementos óticos das câmeras.

O restante da sua estrutura é basicamente necessária para calcular a absurda quantidade de informação contida em cada uma das câmeras. Abaixo, temos um vídeo que mostra o processo de construção da câmera.

Via TG Daily